21 março 2014

DP - Capítulo 9

Bow down, bitches! Finalmente cheguei depois de um atraso do caralho, culpa da minha enxaqueca e da minha faculdade. ANYWAY, estamos aqui com um capítulo fodástico de DP inspirado em uma das minhas canções preferidas da Lana. 
Espero que gostem!

Body Electric

“Elvis é meu pai, Marilyn é minha mãe, Jesus é meu melhor amigo
Nós não precisamos de ninguém, porque temos um ao outro
Ou pelo menos eu finjo”

            A porta da frente estava destrancada quando Isabella chegou em casa no meio da manhã após a pequena fuga para Nova York – e ela não se arrependia nem um pouco da noite completamente insana e adoravelmente desfrutadora enquanto ela e o britânico caminhavam em frente ao Chelsea Hotel e fingiam ser Sid e Nancy. Algumas horas depois na classe executiva da companhia aérea, ela e sua mais recente bagunça estavam de volta a LA.
            A garota tropeçou ao tirar seus sapatos de salto dos pés cansados e passar as mãos nos cabelos revoltos e castanhos, cambaleando até a escadaria da enorme mansão em tons clássicos e brancos. Ao passar pelo hall da sala de visitas, no entanto, ela estancou.
16 fevereiro 2014

DP - Capítulo 8

Heey, bitches! Como vão?
Aqui está mais um cap de DP... Espero que gostem! <3

Diet Mountain Dew

“Diet Mountain Dew, baby, New York City
Nunca houve uma garota tão bonita
Você acha que seremos apaixonados para sempre?
Você acha que seremos apaixonados?”

            Nova York estava esplêndida! O céu nublado, o movimento, os carros, as pessoas apressadas, os prédios de tijolos, de concretos, de imensas paredes espelhadas cobrindo arranha-céus e o oxigênio partindo do Central Park há apenas algumas quadras dali. Era simplesmente impossível não amar cada parte daquela cidade.
            – Eu amo Nova York! – Isabella gritou em plenos pulmões e com um sorriso de criança no rosto ao avançar rapidamente pelas ruas fora do horário de pico e admirar cada beleza no carro conversível.
            Edward riu, esparramando seus braços pela lataria brilhantemente vermelha da Ferrari alugada. O motivo de terem atravessado o país em um jatinho particular naquela mesma manhã? Isabella, seu sorriso de menina e um pedido para um dia insano sem quaisquer favores, medos, receios ao deixarem os dois completamente a mercê da vida e daquela selva de concretos. Manhattan era praticamente a segunda casa da jovem herdeira e ela conseguiu o conquistar com aqueles grandes olhos verdes que o fascinavam.
            Aquela era sua pequena e maravilhosa loucura em busca da liberdade.
            – Você é louca – O britânico falou com uma risada, preenchendo-se com cada detalhe através de seu Wayfarer escuro. Isabella, é claro, sorria atrás daqueles óculos em forma de coração de armação vermelha que irradiava pecado.
            – Só estou me divertindo! – Deu de ombros ao sorrir ainda mais, trocando a marcha à medida que avistavam o Radio City Music Hall no quarteirão à esquerda.
            E ao dirigir com o Central Park como vista, a morena pegou a segunda saída para a Broadway até chegar ao Mandarin Oriental, obviamente o hotel mais caro da cidade.
            – O que os senhores gostariam? – O simpático recepcionista questionou ao mexer em seu bigode, divertindo-se com o sorriso fácil e tão jovial do casal.
            – Suíte presidencial, por favor – Bella sorriu, beijando a bochecha de Edward antes de sorrir e entregar seu cartão de créditos.
            E foi com esse mesmo sorriso fácil que ambos adentraram a imensa antessala do último andar. O piso e as paredes leste-oeste eram forrados em madeira escura, havendo uma belíssima mesa de jantar e luminárias douradas do lado esquerdo e, ao lado direito, sofás de couro e poltronas cinza combinando perfeitamente com o tapete vermelho e flores da mesma cor. Toda a imensa parede norte, porém, era revestida em um vidro límpido que mostrava a belíssima paisagem de prédios e o parque mais famoso da cidade.
            – Ah, essa vista! – A garota suspirou ao rodopiar pela sala e ser seguida pelo inglês até o quarto todo em tons de ouro por conta dos abajures e as cortinas e carpete cor de creme.
A enorme cama de casal estendia-se ao lado de duas poltronas e uma pequena mesa próxima a mais uma parede de vidro. Atrás da cama, no entanto, ficava um imenso espelho e, em cada uma de suas extremidades, uma porta que dava de volta para a sala e outra para o lindo banheiro nas mesmas cores, respectivamente.
– Uau! – Edward exclamou divertido com todo aquele luxo cinco estrelas, pegando uma garrafa de champanhe dentro do balde de gelos ao lado da TV de tela plana.
            – Isso não é lindo? – Ela riu, abrindo os braços com um gritinho empolgado antes de roubar a garrafa do espumante e, então, correr pelo quarto e pular como uma criança em cima da king-size. – Foda-se o dinheiro! As crianças na África vão continuar a passar fome, a Europa vai continuar em crise e os políticos vão continuar a nos roubar se eu gastar ou não o meu dinheiro, não é? É isso o que meus pais e toda aquela gentinha diz, então vamos ver se vale de alguma merda!
            – Como eu disse, você é louca! – Edward gritou risonho ao também subir na cama e ouvir a risada histérica e animada da californiana.
            – E eu nunca disse que não era – Sorriu de volta, estourando o champanhe e sentindo a bebida molhar sua garganta docemente através do gargalo.
            Ele roubou um beijo ao puxar a morena pela cintura, sorvendo alguns goles do espumante logo em seguida e a vendo sorrir quando ela lhe tomou a garrafa e rodeou as mãos ao redor do pescoço do homem.
            – Esta noite nós vamos nos divertir como nuca – murmurou sorridente contra seus lábios, fazendo-o circundar os sinuosos quadris ao fitar os olhos cheios de planos e sensações.
            – Já tem algum destino, madame?
            – Upper East Side e alguma loucura depois.
            E ambos sorriram, beijando-se ardentemente.
            Horas depois e com uma Nova York despontando luzes durante a noite, Bella sorriu ao terminar de se enxaguar durante o banho.
            – Nem me venha com esse olhar, nós estamos atrasados – repreendeu risonha ao ver a expressão maliciosa do britânico que invadia o banheiro só com uma toalha enrolada na cintura.
O cômodo era grande e todo revestido em mármore negro e creme, também com grandes janelas de vidro com vista para os prédios e tons dourados das luminárias. E ela riu quando Edward soltou um falso muxoxo, entrando predadoramente no box transparente.
– Nem um beijo rápido? – Sorriu ao segurar a cintura da morena e seus olhos deslizarem pela pele nua.
– Hm-hm – murmurou travessa, tirando a toalha dos quadris do londrino e o enrolando no próprio corpo molhado. – Você não vai precisar disso aqui agora.
E simplesmente caminhou para fora do banheiro, deixando-o com um olhar abismado, embora terrivelmente quente.
Aquela garota fazia uma verdadeira bagunça com cada uma de suas terminações nervosas. Era como se Isabella Swan demandasse cada sinapse de seu cérebro e tivesse o total controle de seu córtex. Tudo o que ele conseguia pensar, falar, agir e principalmente sentir estava de alguma maneira ligado àquela menina – fosse algo que a lembrasse, algo que a faria soltar algum comentário doce e sarcástico ou simplesmente fazê-la sorrir daquele jeito que confundia sua mente.
Aquele fodido sorriso que o levava aos Céus e o depois o jogava nas profundezas do Tártaro.
A herdeira dançava distraída enquanto perambulava pelo quarto assim que Edward atravessou a porta com uma das toalhas que sobraram na cintura. Apenas uma lingerie sexy e preta delineava suas curvas sob a renda cara, as quais remexiam-se à voz de Elvis Presley vindo do estéreo com One Night.
“The things that we two could plan would make my dreams come true…” – ela cantarolou ao rebolar suavemente com os olhos fechados, encaixando um brinco em sua orelha.
– Você é um pecado, Isabella – O homem murmurou com um sorriso safado atravessando seus lábios e os braços cruzados no peito. A jovem abriu os olhos assustada, sorrindo sapeca logo em seguida enquanto fitava o corpo deliciosamente úmido de Edward.
Ela suspirou.
– Acho que eu devo dizer o mesmo – Deslizou as próprias mãos por sua cintura e suas coxas, movimentando-se lentamente ao ritmo da canção...
– Temos champanhe e morangos... – ele comentou cheio de segundas intenções ao se aproximar devagar.
– Nós não temos tempo... – falou ainda se remexendo, mordiscando o lábio inferior ao admirar cada parte pecaminosa dos ombros largos e o abdômen... Oh, merda!
Os olhos verdes saltaram maliciosamente para a garrafa de champanhe, os morangos ao lado dos gelos, o corpo do britânico. O champanhe, os morangos, o britânico. O champanhe...
– Merda, já estamos atrasados mesmo! – Ela jogou as mãos para o alto antes de enrolar as pernas nos quadris do jovem e beijar sua boca sedenta e sempre tão quente.
– Porra, você é tão gostosa! – Edward arfou contra os lábios ofegantes, empurrando-a sobre a bancada ao lado do espumante e sentindo os pequenos dedos puxando sua toalha à medida que ele arrancava o sutiã da morena.
– E com champanhe eu fico muito melhor... – murmurou sacana, fazendo-o sorrir e se deliciar ao pensar como aquela mulher louca, maravilhosa e docemente perigosa fora parar em seus braços.
Ele só sabia que jamais a deixaria sair dali.
04 fevereiro 2014

DP - Capítulo 7

Hey, babies! Aqui está mais um cap de DP, com direito a Edward ensinando uma liçãozinha de moral a certo personagem... Hahahaha'
Quem não conhece a música do capítulo, Gangsta Boy, basta ouvir e ver a letra aqui: letras.mus.br/lana-del-rey/gangsta-boy/traducao.htmlEnjoy it.
Me digam o que acharam e trago o próximo cap rapidex! 



Gangsta Boy

“Eu não me importo com o que minhas amigas
E minha mãe dizem sobre você, bad boy
Eu gosto do drama”

            Ela era linda. Ela era linda com aquele corpo esbelto, de curvas discretas que o enlouqueciam. Ela era linda com seus belos seios, sua bela cintura e seus belos quadris. Ela era linda com aquelas pernas de bailarina, sotaque californiano e um jeitinho de patricinha que o deixava louco. Uma Bonnie Parker vestida de Bonequinha de Luxo. E aquilo o fascinava.
            Os atentos olhos azuis seguiam os passos e os movimentos sutis e sensuais como um falcão protegendo seu ninho. Isabella estava em uma lingerie recém-comprada na Rodeo Drive, testando sua nova calça jeans que a deixava ainda mais excitante. A larga blusinha violeta acinzentada de botões, com curtas mangas e que deixavam parte de sua barriga deliciosamente alva e magra de fora, o cordão com um pingente de cruz em seu pescoço e os altos Loubotins que usara na noite passada presente nos pequenos pés.
            Um verdadeiro pecado sobre pernas que se olhava no espelho do corredor distraidamente em busca de alguma imperfeição – o que seria impossível.
            Edward a admirava com a mais fogosa e hipnotizante das sensações, tendo aquela bela mulher em seu apartamento após a complicada festa da noite anterior. Vê-la sempre tão frágil, tão pequena e à mercê das coisas horríveis nesse mundo, fez o homem ter a plena certeza de que colocá-la em sua moto e levá-la para casa era a melhor de todas as decisões. Após um banho, alguns suspiros e usando uma camiseta velha do britânico, Isabella pegou no sono. Enquanto ele pensava em certo alguém.
            Riley estava fodidamente em problemas – e agora oficialmente desde que provocara sua Bella naquela merda de quarto de hotel. Ele poderia ser milionário, bilionário ou o caralho que fosse, mas Edward o faria pagar por deixar aquelas lágrimas nos olhos da morena. Ele estava apenas esperando a hora certa.
            – E então? – A herdeira perguntou hesitante ao se virar para o britânico espalhado em seu sofá com um cigarro nos lábios, surpresa por notá-lo já com o olhar sobre ela.
            – Perfeita – murmurou ao jogar fora as cinzas, caminhando até a garota que havia retornado para o espelho com um sorriso no rosto. – Você é linda, Bella.
            Ela riu, olhando-o logo atrás de seu corpo através do reflexo.
            – Talvez você esteja cego, querido – provocou ao pegar o batom no móvel abaixo do espelho, sendo interrompida por uma grande mão em seu abdômen puxando-a para trás. – Oh!
            – Digamos que... – ele sussurrou intenso ao fitar as íris verdes pela imagem refletida, deslizando os fios castanhos para longe de seu pescoço. – Se Priscilla Presley, Marilyn Monroe e Audrey Hepburn se unissem numa mulher só, ela seria você.
            Ela suspirou, fechando os olhos por um segundo ao aproveitar aquela sensação maravilhosa, contornando seus dedos nos cabelos do inglês colado em seu dorso.
            – E se eu dissesse que adoraria ser a Jackie O’?
            – Ah, meu anjo, – murmurou contra o ouvido, ganhando seu olhar perdido em desejo. – apenas boas garotas podem ser a Jackie O’.
            Isabella soltou uma delicada risadinha, virando-se para o homem e sussurrando contra os seus lábios.
            – Eu sempre tive vocação pra ser a Marilyn da relação mesmo.
            – Contanto que eu seja o JFK, eu não reclamo de nada – respondeu com um sorriso, fazendo-a rir mais uma vez.
            – Eu diria que você definitivamente seria James Dean.
23 janeiro 2014

BR - Capítulo 11

Oi, babies! Aqui está mais um cap de BR!
Vamos ver o que os nossos putos preferidos aprontaram. Hahahaha'
Enjoy it.

Valência – Parte II
Não há nada mais perigoso que um garoto com charme
Ele é de parar o trânsito, faz minha calcinha cair
(Christina Aguilera - Candyman)

Valência, Espanha – Catedral de Valência
11h24min

            Localizada na Plaza de la Virgen ficava a bela basílica metropolitana. Construída primeiramente em 1262 com estilos gótico e barroco, a obra era imensa e ostentava uma magnificência tipicamente espanhola e média. Era lindo e imenso e parecia que Robert, Kristen e Dakota foram teletransportados para algum universo paralelo cheio de castelos de pedra.
            E muitos afirmavam que exatamente aquela catedral era verdadeiro abrigo do Cálice Sagrado.
            – Você acha que o Santo Graal está realmente aqui? – O britânico perguntou suavemente, seus olhos admirados demais pela estrutura da igreja enquanto caminhavam pelos ambientes.
            – Eu não faço ideia – A morena deu de ombros com uma risadinha. – Alguns dizem que é o lugar mais provável, mas meus sentidos de Dan Brown dizem que está no Louvre.
            – Acho que tem alguém lendo muito O Código da Vinci... – A loura passou toda travessa pelo casal, tirando fotos com a máquina do londrino.
            – O que posso dizer? Sou uma fã! – Defendeu-se ao rir, sendo seguida pelos outros dois.
            – Mas sério, pra mim ele foi sepultado junto do corpo de Jesus Cristo – Rob comentou, admirando distraidamente a bela cúpula.
            – Pode ser...
            – Quanto mistério! Vamos procurar essa budega agora! – Dakota jogou as mãos para cima, andando até a sacristia.
            – Ficou maluca, loira? – A amiga riu ao pegá-la de jeito pelo braço e a fazer sentar sobre o banco de madeira. – Agora fica quietinha aí sem dar um pio.
            – Ok, mãe – Ela revirou os olhos e apenas sobrou para os outros dois rirem.
10 janeiro 2014

DP - Capítulo 6

Hey, bitches! Como vocês estão? 
Aqui está um cap fodeeex de DP! Altas emoções! Hahahahaha'
Ah, não sei se alguns sabem, mas sou uma das ADMs da página Lana Del Rey Addiction e tem uma versão original da fanfic sendo postada lá! Estamos chiques, negads! LOOOL
Queria agradecer a minha baby Aline Bomfim pela ajuda master de sempre! Eu te amo, gata.
E aproveitem o cap! <3

Carmen
“É alarmante, honestamente,
Como ela pode ser charmosa
Enganando a todos
Dizendo-lhes que está se divertindo”

            A cidade era linda vista do alto. Ali era como se fosse impossível imaginar quantas coisas se passavam em um ambiente entre um deserto e um mar, um lugar carregado de automóveis, tecnologia e pessoas dispostas a fazerem qualquer coisa mais pela fama do que pelo dinheiro. A tão conhecida ideia de status, a vida perfeita, a pose perfeita, a Los Angeles perfeita. A terra de deuses e monstros.
            E bem no topo da cidade, na imensa serra logo abaixo do belo letreiro de Hollywood, havia um anjo observando tudo. Um anjo talvez com as asas quebradas demais e que perdia sua auréola aos poucos enquanto conhecia e se aprofundava cada vez mais naquela terra de fantasias. A Cidade dos Anjos, a cidade da inconsciência, a La La Land da inocência perdida.
            – Você nasceu aqui? – A voz de Edward soou baixa e calma enquanto seus lábios expulsavam pequenas fumaças de cigarro. O sol estava nascendo e o céu fluía pequenos riscos amarelos e rosados através do azul claro.
            Bella o olhou parcialmente curiosa – ambos estavam quietos há um quarto de hora desde que chegaram cansados, mas ainda dispostos após uma frutífera noite no Old Paul’s. Eles não se viam há uma semana, desde a primeira noite e ótima manhã em que dormiram juntos. Ela estivera totalmente ocupada com a faculdade, seus pais cada vez mais desconfiados e seu namorado mais atento às suas esquivas; mas ela sorriu como um pequeno diabinho em busca de diversão ao trocar uma entre tantas mensagens de textos com o britânico e encontrá-lo no pub em plena quinta-feira à noite.
            E naquele início de manhã de sexta, ela sorriu ao responder sua pergunta.
            – Na verdade eu nasci no Hamptons durante o recesso de primavera – Mordeu os lábios, divertida. – Segundo minha mãe, eu vim antes do previsto e peguei todos de surpresa.
            – Imagino que sim – Edward murmurou com um sorriso de lado, tragando mais uma vez.
            – E você? – questionou curiosa, roubando seu Marlboro Light e sentindo o sabor do tabaco em sua língua.
            – Blackpool, litoral da Inglaterra – respondeu sucinto, desviando seus olhos azuis para a paisagem distante dos prédios da cidade. – Meus pais logo se mudaram para Londres, onde eu cresci.
            – E o que o trouxe a América? – Ela franziu o cenho, apoiando os cotovelos em suas pernas dobradas sobre a terra e a grama abaixo do letreiro, fitando o homem que fugia de seu olhar.
            – Liberdade, vida nova – Ele a encarou de repente, fazendo-a se arrepiar com aquelas íris azuis tão intensas e que gritavam um milhão de segredos. – Você não vai querer saber.
            – Por que você se esconde de mim, Edward? – perguntou com os olhos preocupados e gentis, sentindo-o se aproximar como um felino e acariciar delicadamente seu rosto.
23 dezembro 2013

BR - Capítulo 10

Babiiiies! Perdão pela demora, mas como eu disse semana passada em Dark Paradise, esses últimos tempos foram uma loucura sucks pra mim. Mas aqui está um capítulo louco e romântico de BR! Que saudades dos nossos putos! Hahahahaha'
Enjoy it.


Capítulo 10: Valência – Parte 1

Eu não acreditava em destino
Eu procuro e você está ao meu lado
Que sensação!
(Aqualung - Brighter Than Sunshine)

Arredores da Castilla-La Mancha – Estrada A3
14h58min

            Paisagem verde de belas serras e planícies, céu azul, brisa suave e Foster The People nos alto-falantes do Mustang enquanto Robert dirigia através da Espanha com Kristen ao seu lado e três putos divertidíssimos no banco traseiro. Seria perfeito se não fosse pela loura matraca que não parava de rir da revelação do Tom no banco de trás.
            – Sério mesmo que você quase já dormiu com um traveco?
            – Não me julgue, ok? – O ator se defendeu com um olhar assustado e um bico enorme nos lábios; os amigos rasgando-se em uma gargalhada enorme. – Eu estava mais que bêbado, só na hora H percebi que o que tinha ali era um pinto enorme!
            – NÃO ACREDITO! – Dakota roncou no meio do riso, gargalhando e colocando a mão na barriga.
            – E o que você fez depois? Deu um “hasta la vista” e sebo nas canelas? – A morena perguntou em diversão e meio a uma alta risada, curvando-se no ombro do fotógrafo para olhar para o banco de trás.
            – Foi! – Tom riu e a crise de risos aumentou. – Só sei que nunca mais vou sozinho pra Tijuana!
            – Graças a Deus; estava começando a duvidar da sua masculinidade, bebezão! – Sienna murmurou risonha ao apertar as bochechas do inglês.
            – Sou muito macho, irmãos!
            – Claro que é – A loura baixinha zoou outra vez, meneando a cabeça. – Ai ai, esse foi o babado do século.
            – Tá bom, agora sou eu que pergunto! – Ele revirou os olhos ao erguer as mãos. – Primeira vez de vocês?
            – Primeira vez de quê? Que transou, beijou na boca, viu Madagascar, cantou eu Eu Me Remexo Muito? – Dakota provocou, fazendo o moreno olhar com cara de descrença enquanto os outros riam. – Primeiro quem responde é o Rob!
            – Por que eu? – Fez cara de inocente.
            – Porque você é gostoso e com certeza quer comer minha amiga, então desembucha! – ela respondeu no melhor jeitinho Dakota que fez todos rirem, e o fotógrafo e a escritora trocaram um olhar divertido.
            – Okay, eu tinha uns 15 anos e foi com uma líder de torcida que vivia jogando os peitos na minha cara – Ele riu, seguido pelos outros, exceto por uma Kristen que se remexeu desgostosa no assento do passageiro. – Não demoramos nem 10 minutos no vestiário vazio, mas foi bom!
            – Agora a Kristeeeeen! – A loura maliciosa cantarolou o nome da amiga enquanto todos a olhavam com ansiedade.
            – Que bando de curiosos, meu Deus! – murmurou risonha antes de prosseguir. – Foi aos 17 com o Michael, na casa de campo da família dele quando completamos seis meses de namoro, nada demais.
            Nem deu tempo do Robert querer quebrar a cara do mané ou Kristen se sentir desconfortável, pois logo a amiga já soltou um comentário bem típico dela.
            – Pelo jeito ele tem pinto pequeno! – ela comentou embolada em uma risada alta e engraçada que fez todos gargalharem.
            – E você, Kota? Fale sobre sua primeira vez! – Tom atiçou; seu lado de velhinha fofoqueira todo curioso.
            – Minha primeira vez com homem, com mulher, orgia ou o quê? – Ela tirou uma com a cara dele, fazendo todos rirem e ele rolar os olhos. – Minha primeira vez foi com uma garota da minha aula de Francês, no colegial. A gente se conheceu, passamos a namorar e após dois meses rolou nossa primeira vez, foi maravilhoso! Três meses depois nós brigamos, terminamos, fiquei bêbada numa festa e foi aí que conheci a K!
            – E com homem? Já rolou?
            – Uma vez, já na faculdade – Ela riu. – Só serviu pra confirmar que eu gosto mesmo é das aranhas brigando!
            – MEU DEUS, EU NÃO OUVI ISSO! – Kristen soltou uma gargalhada altíssima, sendo seguida pelos outros malucos na longa viagem ao leste espanhol.

Valência, Espanha – Propriedade da família Sturridge
17h26min

            – Uau, acho que vou morar aqui pra sempre, posso? – A loura olhou com um beicinho e os olhinhos brilhando para Tom à medida que todos admiravam o belo casarão onde passariam os dois próximos dias.
            A família do ator possuía uma linda propriedade no alto de uma das serras da cidade, longe do centro e com uma visão lindíssima para as planícies verdes, as plantações e até vinhedos ao horizonte. O Sol do final da tarde resplandecia um tom lindo de dourado sobre a grama e fazia as paredes do enorme sobrado parecerem ainda mais mediterrâneas.
            A casa de três andares era estreita, com paredes de um bege envelhecido e janelas e uma porta de entrada de madeira marrom e, do outro lado, paredes salmão com janelas azul turquesa. Ao longo da construção havia uma bela escadaria de pedras cinza que circundava toda a lateral em sentindo horizontal da fachada, indo desde o gramado do jardim, passando pela porta marrom – com um longo degrau onde havia samambaias, duas cadeiras e enormes cachepôs com flores rosa choque – até dar acesso aos fundos. Árvores de flores roxas, floreiras nos parapeitos das janelas e luminárias vitorianas nas paredes davam um toque final ao charme e beleza do lugar.
            – Tudo bem, quer casar comigo, Tom? Já temos até onde morar: aqui! Não é legal? Eu sou uma gênia, eu sei que sou – Dakota continuou importunando o moreno, fazendo todos rirem e ele bagunçar seus cabelos.
            – Que bom que gostaram, galera! – Ele sorriu, caminhando até as escadas com os amigos em seu encalço. – Minha família costuma passar os feriados de final de ano aqui, então é como minha segunda ou terceira casa, já que tenho Londres e LA agora!
            – Ah, deve ter sido ótimo crescer aqui! – Kristen sorriu, abaixando-se para cheirar as flores nos grandes vasos.
            – E foi! Até o Rob já passou alguns Natais aqui com a família dele; já aprontamos muito por essas redondezas! – murmurou malicioso ao fazer um high-five com o amigo e ver as meninas revirarem os olhos.
            E assim que Tom pegou a chave guardada debaixo da mesma floreira de sempre, eles abriram a porta da frente e foram invadidos com a beleza da arquitetura mediterrânea que sempre mesclava as cores terracotas com enormes janelas e uma claridade límpida tipicamente espanhola. Paredes claras, pisos de pedras lisas, madeiras escuras, tapetes persas e cores vívidas em quadros e cortinas. Não era nada que ostentava riqueza; era apenas uma simplicidade impecável pelo bom gosto e ar médio.
            – Que lindos! São seus pais? – A escritora perguntou ao caminhar pela sala, parando em frente à lareira ao avistar alguns porta-retratos. Ela amava o modo como as histórias podiam ser impressas em uma única tela.
            Tom se aproximou com um sorriso assim como os outros – Robert abraçando a morena delicadamente pela cintura.
            – Sim. São meus pais, meu irmão mais velho, Arthur, e minha irmã caçula, Matilda. – falou ao apontar à senhora bela e ruiva, ao homem de cabelos grisalhos abraçado a ela e um jovem de seus 25 anos, com cabelos cor de fogo e olhos iguais aos de Tom, agarrado a uma garotinha sorridente de lindos olhos azuis e puxadinhos como a característica de quem possuía Síndrome de Down.
            – Seu irmão é a sua cara, mesmo com os cabelos ruivos! – Sienna riu agarrada ao britânico que puxou ela e Dakota em um abraço. – E a sua irmã é a coisa mais fofa do mundo. Que vontade de apertar!
13 dezembro 2013

DP - Capítulo 5

Oi, gatonas! Perdão pela demora em postar. Como disse no grupo, o mês de novembro foi meio complicado pra mim, mas agora vamos que vamos!
E aí, quem assistiu TROPICO aqui? Gente, morri com tanta perfeição! Tive várias inspirações pra DP u.u
E sem mais enrolação, espero que gostem do capítulo. Eu particularmente amo capítulos pós-primeira vez do casal (66'

Black Beauty
“Eu coloro o céu de preto
Você disse que se fosse do seu jeito
Você faria o mundo noturno hoje
Então ele combinaria com o humor da sua alma”

            A cama estava quente e macia, os lençóis ondulando seus corpos relaxados e em um frisson desesperado de calmaria e aconchego. Edward suspirou tranquilo ao abrir os olhos para a manhã nublada em preto e branco, sentindo seu corpo espremido em um abraço envolta da pele macia e pálida de Isabella, ressonando de costas pra ele enquanto sentia as grandes mãos a protegendo em seu inconsciente.
            E o britânico apertou-a um pouco mais em seus braços, escondendo o rosto nos cabelos escuros e perfumados ao fechar os olhos à bonança. Ele poderia ficar ali eternamente.
            Um resmungo baixinho soou no quarto de tons cinzentos daquela manhã que anunciava uma chuva, e o homem sorriu ao ver a garota se ajeitar na cama e os cabelos em seu pescoço se movimentarem, deixando uma tatuagem à mostra que o surpreendeu. Era uma pequena cruz feita em tinta preta, logo abaixo da nuca, deixando a pele alva ainda mais apetitosa. Ele sorriu ao depositar um beijinho no desenho, fazendo Bella gemer e se apertar no abraço forte.
            – Às vezes eu esqueço que você não é tão inocente quanto parece – Edward sussurrou rouco no ouvido da morena, ouvindo os doces lábios se moverem em um sorriso lento.
            – Que atrevido – Ela fingiu um ultraje, virando-se na cama e enrolando suas pernas entre as do britânico antes de deixá-lo deliciado com as íris verdes e preguiçosas da americana.
            A jovem envolveu suas mãos no corpo quente enquanto sentia sua nudez ser aquecida em deleite entre os músculos do inglês, escondendo seu rosto no peitoral firme e fechando os olhos para aproveitar cada centímetro daquela sensação maravilhosa e entorpecente que Edward Masen sempre lhe referia.
            – São quantas horas? – ela murmurou com um beicinho nos lábios, apertando ainda mais o corpo forte. – Eu tenho aula.
            Ele riu da preguiça personificada, mexendo-se até conseguir enxergar o relógio digital no criado-mudo atrás da menina, o que a fez perceber um pequeno desenho tatuado na costela do britânico que a intrigou.
            – Quem é Elizabeth? – perguntou em um tom de curiosidade, lendo a palavrinha em letra cursiva depois que ele deitou novamente e a puxou para si.
15 novembro 2013

DP - Capítulo 4

Heyyy, babies! Como vão?
Vamos ler o capítulo e curtir mais um pouquinho da Lana na América do Sul! Gente, que diva essa mulher!
E obrigada a minha baby e beta, Aline Bomfim. Te amo, gata.
Aproveitem o capítulo que está... err... quente! (66'

National Anthem

“Em nossas drogas e em nosso amor
E nossos sonhos e nossa fúria
Turvando as linhas entre o real e o falso
Sombria e solitária, eu preciso de alguém para me abraçar”

            – Isabella, querida, que bom revê-la! – Candice a abraçou assim que abriu a porta, sorrindo para a nora.
            – É ótimo revê-la também – Ela sorriu de volta, entrando na bela mansão de meio bilhão de dólares, em Holmby Hills, enquanto a Sra. Biers cumprimentava seus pais.
            Após uma noite louca com muitos amassos, álcool e cocaína, Edward deixou a herdeira em casa pouco antes das três da manhã, e depois de um café da manhã ouvindo seu pai lhe chamando de inconsequente por continuar chegando sempre às madrugadas, eles logo se viam na Lamborghini em direção à casa dos pais de Riley, também no oeste de Los Angeles.
            – Vocês não vieram mais nos visitar, senti principalmente sua falta, querida – A mulher murmurou, voltando-se para Bella com seus grandes olhos castanhos, idênticos aos do filho, e cabelos caramelo esvoaçando em seus suaves cachos. Ela estava linda em um clássico vestido amarelo ao estilo anos 50, assim como sua mãe em um vestido azul.
            – Eu estive presa com a faculdade, sinto muito, Candice – respondeu com um sorriso culpado, ouvindo a risadinha da sogra quando a abraçou outra vez. Logo puderam escutar passos se aproximando e a voz fina e delicada de Bree.
            – Ah, vocês chegaram! – A cunhada falou com uma risada, assim que adentrou a imensa sala em tons claros e vitorianos, prendendo a morena em um abraço.
            – Oi, Bree, quanto tempo! – Isabella sorriu ao olhar a jovem de 18 anos. Ela estava maior e com mais curvas desde a última vez em que a havia visto, antes de sua viagem a Europa, ostentando beleza em sua saia de cintura alta e blusinha Chanel. – Como foi em Amsterdã?
            – Maravilhoso! Muita moda, jardins magníficos, restaurantes finos, sem falar nos homens... – comentou com um risinho divertido em seu largo sorriso branco nos lábios cheios. – Eu fui a um show do Andre Rieu simplesmente esplendoroso! Sem falar no desfile da Versace. In-crí-vel!
            – Que ótimo – ela murmurou com um sorriso que não chegou aos seus olhos, embora não deixasse de se sentir feliz pela adolescente de pequeninas íris verdes brilhantes e longos cachos castanho-escuros.
            – Não monopolize minha garota, pirralha! – Riley brincou com a irmã assim que se aproximou junto de seu pai, trajando uma calça jeans e um blazer bege por cima da camisa de botões, cumprimentando a namorada com um singelo beijo nos lábios.
            Logo, ela se sentou na sala de visitas junto das mulheres, enquanto Richard Biers mostrava aos homens as fotos de sua última viagem de pesca em Aspen. E foi naquele cômodo enorme e tão aconchegante, com todos aqueles móveis e artigos franceses de luxo, que Isabella sentiu sua bile subir e subir e seu estômago se revirar assim como sua cabeça.
            Saudações, senhoras e senhores! Sejam muito bem vindos à perfeição teatral da alta sociedade!
            – Eu acho que Lauren tem um caso com o noivo da Jessica, mas vai saber!
            – O quê? Não, a Jessica é quem tem um caso com o filho do próprio noivo! Eu sempre soube que ela estava com aquele velho só por causa da influência dele.
            – Semana passada, Angela estava aos beijos com Ben no clube, acreditam? Tudo bem que eles acabaram de se casar, mas que tipo de garota enfia a língua na garganta de um homem em público?
            – Leah estava de novo tentando pegar Mike Newton, mas agora que você disse que Jessica tem um caso com ele, já sei bem o motivo...
            – Isso é o de menos, porque ontem Leah estava na loja da Bvlgari, ganhando uma nova gargantilha do Jacob. Ele é um nojento!
            – E eu não sei? Já pegou todas as patricinhas “comprometidas” de Beverly Hills!
            Fofocas, fofocas e mais fofocas. Isabella apenas sorria e confirmava com a cabeça enquanto sentia uma vontade de vomitar corroendo seu estômago. Quantas pessoas já não deviam ter falado dessa maneira sobre ela? Pelas costas, as pessoas tiravam as máscaras e mostravam suas verdadeiras identidades de bestas – verdadeiras feras vestidas de realeza enquanto tudo o que queriam era tirar as máscaras das outras pessoas e continuar no próprio anonimato. Mas naquele mundo ninguém estava a salvo. Ninguém estava no anonimato. Tudo e todos eram motivos, pontes e razões para mais fofocas e conversas e palpites inexplicáveis sobre a vida alheia.
            Verdadeiras mentes vazias de almas vazias em corpos ainda mais vazios.
            A única coisa que preenchia aquelas pessoas eram o medo, o nojo e a própria e escondida auto-aversão sufocados no assombroso vácuo.
            – O jantar está servido! – A empregada de pele bonita e bronzeada murmurou no hall em frente à sala; sua voz estalando como o timer de um forno quando avisa que, se a torta continuar a assar, vai acabar queimando.
Isabella estava à beira do desastre, mesmo estando linda por fora com seu curto vestido evasê em um tom clarinho de salmão, destacando sua cintura com o grosso cinto bege da mesma cor do scarpin que calçava, exceto pelo detalhe dourado na ponta.
            Todos estavam rodeados na imensa mesa com uma bela vista para a piscina do jardim – o sol do final da tarde despontando entre o verde das palmeiras e da grama ao refletirem o colorido das flores. Aquilo acalmou a herdeira por dois ou três segundos.
            E Bree começou a falar enquanto a morena tentava engolir seu aspargo.
            – Amsterdã estava linda durante o Natal, vocês precisavam ter visto! – Os olhos verdes brilharam à medida que sorvia um gole de seu vinho branco.
            – Ah, filha, fale sobre Diego! – Sua mãe sorriu ao olhar para a garota.
            – Sim, o Diego! – ela disse com uma risadinha. – Acho que ele é o homem dos meus sonhos! E é editor de arte da GQ, acreditam? Eu o conheci no desfile da Versace e passamos toda a after-party conversando! Ele mora em Nova York, mas vem pra cá no próximo final de semana pra me ver de novo!
            – Uau, você pegou um ótimo partido, querida! – Renée disse num sorriso, olhando para a filha que logo fingiu uma expressão de felicidade.
            – Espero podermos oficializar logo! Preciso de um diamante no meu dedo, por favor! – murmurou exasperada, arrancando uma risada de todos na mesa e alguns pares de olhares ansiosos para Riley e Isabella.
            – E vocês, quando pretendem oficializar a relação também? – O pai do jovem questionou ao bebericar sua taça de vinho.
            – Não queremos apressar nada, pai – O empresário respondeu, sorrindo para sua garota que suspirou aliviada.
            – Ah, mas não iriam apressar coisa alguma! – A mãe da herdeira logo prosseguiu com um largo sorriso e os olhos vibrantes. – Imaginem um casamento dos dois! Seria o evento do ano!
            – Seria magnífico! – Candice sorriu. – Iríamos contratar o melhor buffet, um belíssimo salão em Santa Monica ou Malibu, uma lua de mel perfeita, maquiadores mais caros, um vestido fantástico da Vera Wang ou Oscar de la Renta...
            A herdeira arregalou os olhos ao tentar imaginar tudo aquilo, sentindo cada palavra e expressão maravilhada das mulheres a sufocarem e efervescê-la na agonia.
            – Mas eu não preciso do melhor maquiador e do melhor vestido! – ela arquejou em desespero.
            – Sim, Isabella, você terá um casamento perfeito com o mais alto ícone da sociedade americana! – Renée tratou de ser firme ao olhar para a menina, colocando seus cabelos alaranjados atrás dos ombros ao encará-la.
– E por que vocês não me perguntam o que eu quero? Ou o que Riley quer? – A jovem morena elevou a voz ao tirar o guardanapo de seu colo e jogá-lo na mesa, frustrada, exaltada e extremamente cansada de tudo aquilo. – Já parou pra pensar se nós dois queremos um casamento perfeito com o mais alto ícone e blábláblá? Já parou pra pensar se nós ao menos queremos um casamento?
01 novembro 2013

BR - Capítulo 9


E aí, gatonas! Todas joia?
Depois de um tempinho, aqui está a segunda parte do capítulo "Lisboa"! Espero que gostem.

No capítulo anterior:

            Taylor Stewart era o típico garoto desencanado. Magro, pele branca, olhos verdes e animados, cabelos castanhos e revirados dentro de um boné surrado – um visual despojado de skatista.
            – E aí, porque demorou tanto pra chegar? – A morena perguntou quando ele jogou os braços em seus ombros. E então ele fez uma breve expressão culpada.
            – Eu meio que trouxe um convidado.
            – Quem? – Ela franziu o cenho, olhando para os lados. E então viu a praga.
            Caminhando até onde eles estavam, ninguém mais ninguém menos do que Michael Angarano – seu patético ex-namorado – sorria para ela.

Capítulo 9: Lisboa – Parte II

Então 1, 2, 3, pegue minha mão e venha comigo
Porque você parece tão legal
E eu realmente quero fazê-la ser minha
(Jet - Are You Gonna Be My Girl?)

            A jovem nem teve tempo de lançar seu olhar encolhedor de bolas para o irmão, quando o dito cujo se aproximou.
            – Hey, K – ele murmurou com um sorriso e ela apenas revirou os olhos, furiosa.
            – O que você está fazendo aqui, Michael? – E pronunciar seu nome em voz alta, foi como um chamado pra todos os amigos da americana – e Rob – olharem para eles.
            – Não iríamos estar juntos no Optimus Alive! deste ano? – Deu de ombros, a expressão com uma rajada de ironia. – Era o que planejávamos, não era?
            Ela semicerrou os olhos, bufando, antes de arquear a sobrancelha e encará-lo de cima a baixo.
            Ele continuava o mesmo. Pele levemente bronzeada, cabelos com suaves ondas de um castanho claro, olhos também castanhos que soavam infantis e ingênuos, sorriso bonito e traços suaves – estava mais forte, mas era baixinho demais para ser considerado um galã. Naquele momento, a morena o definiria como “cara de retardado” e ponto.
            – Michael... – ela suspirou impaciente, colocando a mão na cintura ao andar lentamente até ele. – Nós terminamos. Acabou.
20 outubro 2013

DP - Capítulo 3

Hola! Como prometido, aqui está o novo capítulo de DP!
Queria agradecer muitíssimo ao apoio de cada uma de vocês... Os comentários me fazem sorrir que nem uma gayzona, gente! Hahahahaha' E um obrigada especial às divas que recomendaram a história! YEY!
Bella Alvarinho, Raira Ketilly Silva e nossa beta gatona, Aline Bomfim! Obrigada, vadias! Hahahahaha'

Grupo: facebook(PONTO)com/groups/501155363274932/

Ride

“Eu ouço os pássaros na brisa de verão, eu dirijo rápido
Estou sozinha à meia noite
Tenho tentado arduamente não me meter em confusão
Mas eu tenho uma guerra em minha mente”

            Isabella fechou os olhos outra vez, resmungando com a luz do sol que cortava as longas cortinas de seu quarto e batia em seu rosto. E, então, ela sentiu o latejar de uma enxaqueca e gemeu, revirando-se na cama.
            Puta. Que. Pariu.
            Ela abriu os olhos rapidamente e sentou-se num salto na king size.
O que ela havia feito na noite anterior? Ela só poderia estar louca! Completa e inteiramente louca! Edward Masen, beijo, bebidas, conversas, maconha, amasso quente e nascer do sol na praia passaram como um flash em sua mente. Ela nunca – nunca – havia agido de forma tão espontânea e inconsequente assim. Mas o pior... Ela havia amado cada segundo.
            Depois de assistirem silenciosamente o dia nascer, o britânico levou Bella de volta ao Old Paul’s – e após um suave beijo nos lábios e uma promessa de que ela ligaria para ele quando quisesse se divertir, a morena partiu em seu Jaguar vermelho rumo a Bel Air. E ela apenas se lembrava de encontrar a mansão calada e quieta naquela manhã, esgueirando-se em seu enorme quarto a fim de algumas boas horas de sono.
            Apesar daquele completo estranho que a enfeitiçou, ela sentia a pequena vibração em seu peito por ter feito algo por conta própria, apenas ela e sua escolha de dizer “sim” a um mundo novo e repleto de descobertas e fascínios – sem hesitações, sem dúvidas, sem influências e extratos bancários de milhares de dólares. Apenas Isabella.
            A jovem havia experimentado um pequeno pedaço da liberdade, mas qual seria o tempo até o efeito da adrenalina passar e ela precisar de uma nova dose? Ela não fazia ideia.
            O celular vibrando entre os caros lençóis de linho a fez resmungar e tatear a cama a sua procura, vendo uma nova mensagem piscando com o nome de seu namorado.
            – Riley! – ela quase gritou, gemendo em alto e bom som, logo em seguida, ao ver que toda a merda que havia feito era ainda maior. Ela era a porra de uma garota comprometida que saíra aos amassos com um britânico quente na noite anterior! Perfeito.
            O que acontecera com ela, afinal? Ela amava Riley Biers. Bem, ela parecia sempre esperar mais dele, mas não podia pedir demais quando já possuía tudo. Ela gostava de sentir o corpo grande e quente dele contra a pele macia e de traços pequenos de seu próprio corpo. Ela gostava dos beijos suaves dele, do modo gentil que a língua trilhava seu lábio inferior e da mão firme pousada na base de suas costas sempre que eles precisavam cumprimentar incontáveis pessoas em algum jantar.
            Ela se sentia bem com aquilo. No entanto, agora ela enxergava que jamais se sentira completa.
            Por que sua vida tinha que ser assim? Ela sempre tinha tudo o que pessoas ao redor do mundo desejavam ter, mas ela nunca conseguia as coisas mais fáceis que todos tinham – ela não se sentia feliz, não se sentia plena, não se sentia nem ao menos sincera consigo mesma. Isabella Swan era cheia de um grande e espaçoso vazio.
 
Template feito por Nathália Almeida, exclusivo para disponibilização no Single Themes. Não retire os créditos!