24 abril 2013

Matéria Curiosa: E se a história da 2ª Guerra Mundial fosse registrada no Facebook?


Hey, babies! Enquanto escrevo o capítulo 3 de Burning Red, decidi trazer pra vocês uma matéria e tanto! Para os amantes de História Contemporânea principalmente!
Já imaginou como seria se existisse Facebook durante a Segunda Guerra Mundial? Tudo com as datas e fatos REAIS e impecavelmente bem feitos, o Historia Blog nos mostrou como seria registrado tal fato. Com um tom bastante bem humorado, é claro! Hahaha'
guerra1 E se a história da segunda guerra mundial fosse registrada no facebook?
21 abril 2013

RM - Epílogo


Ai, ai, meu coraçãozinho, gente! *aperta todo mundo num abraço*
Então, aqui está o tão esperado epílogo de RM.
Mas, antes de lerem, eu gostaria de agradecer aos 46281635271 leitores maravilhosos que acompanharam a fanfic! Os leitores incríveis que leem Respiro Me desde dezembro de 2010, aqueles que começaram da metade da história e aqueles que começaram no capítulo passado! MUITO OBRIGADA.
Obrigada às minhas babies que tanto me ajudaram, minha Ana Kelly (acreditem, sem ela essa história não seria a mesma), a Aline Bomfim, a Tuany Nascimento e a Letícia Cabral! Babies, muito obrigada por tudo!
Mas nos vemos lá em baixo. Aproveitem o epílogo!

Coloquem pra carregar: http://www.youtube.com/watch?v=dpDnM2TcSZo


Capítulo 19 – Epilogo


            Começo, vindo do verbo começar – segundo definição, o ato de dar início, principiar, quando o dia começa. Recomeço, cuja acepção seria começar de novo, retornar a fazer qualquer coisa. Começar a ser.
            Dizem que pode demorar a curar um coração ferido, dizem que é impossível esquecer um grande amor. Muitos não acreditam em recomeços, em novos começos, em novas vidas. No entanto, qualquer pessoa que seja, estaria impossibilitada de tentar novamente, de refazer a felicidade, de se adaptar, de se moldar, de se viver com ela.
            Mas não. Todos possuem um dom em comum, o dom da perseverança, da determinação, da possibilidade de criar novos começos – não importa o que digam, não importa o que achem, não importa o que vão pensar. A vida é feita de começos e quem não se permite recomeçar e viver várias vidas ao longo de uma única vida, jamais estará sujeito a mergulhar entre uma felicidade sem pudores. E, enfim, encontrar um final feliz.
18 abril 2013

Spoiler! - Epílogo de RM


Ehhhh, quem quer prévia? 0//
Aí vão os primeiros parágrafos do epílogo!

            "Começo, vindo do verbo começar – segundo definição, o ato de dar início, principiar, quando o dia começa. Recomeço, cuja acepção seria começar de novo, retornar a fazer qualquer coisa. Começar a ser.
            Dizem que pode demorar a curar um coração ferido, dizem que é impossível esquecer um grande amor. Muitos não acreditam em recomeços, em novos começos, em novas vidas. No entanto, qualquer pessoa que seja, estaria impossibilitada de tentar novamente, de refazer a felicidade, de se adaptar, de se moldar, de se viver com ela.
            Mas não. Todos possuem um dom em comum, o dom da perseverança, da determinação, da possibilidade de criar novos começos – não importa o que digam, não importa o que achem, não importa o que vão pensar. A vida é feita de começos e quem não se permite recomeçar e viver várias vidas ao longo de uma única vida, jamais estará sujeito a mergulhar entre uma felicidade sem pudores. E, enfim, encontrar um final feliz."

Preparem seus coraçõezinhos para certo... hmm... digamos que... reencontro ;)
17 abril 2013

DP (Original) - Capítulo 7

Hey, babies! Aqui está mais um cap de DP, com direito a Andrew ensinando uma liçãozinha de moral a certo personagem... Hahahaha'
Quem não conhece a música do capítulo, Gangsta Boy, basta ouvir e ver a letra aqui: letras.mus.br/lana-del-rey/gangsta-boy/traducao.html
Enjoy it.

Gangsta Boy

“Eu não me importo com o que minhas amigas
E minha mãe dizem sobre você, bad boy
Eu gosto do drama”

            Ela era linda. Ela era linda com aquele corpo esbelto, de curvas discretas que o enlouqueciam. Ela era linda com seus belos seios, sua bela cintura e seus belos quadris. Ela era linda com aquelas pernas de bailarina, sotaque californiano e um jeitinho de patricinha que o deixava louco. Uma Bonnie Parker vestida de Bonequinha de Luxo. E aquilo o fascinava.
            Os atentos olhos azuis seguiam os passos e os movimentos sutis e sensuais como um falcão protegendo seu ninho. Scarlett estava em uma lingerie recém-comprada na Rodeo Drive, testando sua nova calça jeans que a deixava ainda mais excitante. A larga blusinha violeta acinzentada de botões, com curtas mangas e que deixavam parte de sua barriga deliciosamente alva e magra de fora, o cordão com um pingente de cruz em seu pescoço e os altos Loubotins que usara na noite passada presente nos pequenos pés.
            Um verdadeiro pecado sobre pernas que se olhava no espelho do corredor distraidamente em busca de alguma imperfeição – o que seria impossível.
            Andrew a admirava com a mais fogosa e hipnotizante das sensações, tendo aquela bela mulher em seu apartamento após a complicada festa da noite anterior. Vê-la sempre tão frágil, tão pequena e à mercê das coisas horríveis nesse mundo, fez o homem ter a plena certeza de que colocá-la em sua moto e levá-la para casa era a melhor de todas as decisões. Após um banho, alguns suspiros e usando uma camiseta velha do britânico, Scarlett pegou no sono. Enquanto ele pensava em certo alguém.
            Ian estava fodidamente em problemas – e agora oficialmente desde que provocara sua Scar naquela merda de quarto de hotel. Ele poderia ser milionário, bilionário ou o caralho que fosse, mas Andrew o faria pagar por deixar aquelas lágrimas nos olhos da morena. Ele estava apenas esperando a hora certa.
            – E então? – A herdeira perguntou hesitante ao se virar para o britânico espalhado em seu sofá com um cigarro nos lábios, surpresa por notá-lo já com o olhar sobre ela.
            – Perfeita – murmurou ao jogar fora as cinzas, caminhando até a garota que havia retornado para o espelho com um sorriso no rosto. – Você é linda, Scar.
            Ela riu, olhando-o logo atrás de seu corpo através do reflexo.
            – Talvez você esteja cego, querido – provocou ao pegar o batom no móvel abaixo do espelho, sendo interrompida por uma grande mão em seu abdômen puxando-a para trás. – Oh!
            – Digamos que... – ele sussurrou intenso ao fitar as íris verdes pela imagem refletida, deslizando os fios castanhos para longe de seu pescoço. – Se Priscilla Presley, Marilyn Monroe e Audrey Hepburn se unissem numa mulher só, ela seria você.
            Ela suspirou, fechando os olhos por um segundo ao aproveitar aquela sensação maravilhosa, contornando seus dedos nos cabelos do inglês colado em seu dorso.
            – E se eu dissesse que adoraria ser a Jackie O’?
            – Ah, meu anjo, – murmurou contra o ouvido, ganhando seu olhar perdido em desejo. – apenas boas garotas podem ser a Jackie O’.
            Scarlett soltou uma delicada risadinha, virando-se para o homem e sussurrando contra os seus lábios.
            – Eu sempre tive vocação pra ser a Marilyn da relação mesmo.
            – Contanto que eu seja o JFK, eu não reclamo de nada – respondeu com um sorriso, fazendo-a rir mais uma vez.
            – Eu diria que você definitivamente seria James Dean.
            E, então, roubou-lhe um beijo delicioso de derrubar calcinhas.
15 abril 2013

BR - Capítulo 2


– Versão Bella/Edward AQUI.

Hola, gatonas! Como estão?
Ahhh, fiquei tão feliz por Burning Red estar sendo tão bem recebida... Vocês são todas umas lindas, obrigada (:
Então... Vamos ler mais um pouco e desfrutar! Hahaha'
Enjoy.

Capítulo 2: Milão

É a batida, meu coração pula quando estou com você,
Mas eu ainda não entendo
(Beyoncé - Crazy in Love)

Arredores da Toscana – Trem da ES Italia AV
09h14min

            “Já percebeu que as prateleiras feitas hoje em dia quebram ou então desabam sob o peso das quinquilharias depois de seis meses de uso? O mesmo acontece com as casas, e com as roupas. Esses filhos da puta já inventaram o plástico e com ele poderiam fazer casas que durassem para sempre. E os pneus? Os americanos se matam aos milhões todos os anos com pneus de borracha defeituosa que aquecem nas estradas e estouram.”
            – Jack Kerouac é um fodido escritor! Adoro o jeito que ele critica os princípios sociais. – Dakota murmurou enquanto Kristen fez uma pequena pausa em sua leitura em voz alta de On The Road.
            – É o que eu sempre digo! – ela concordou, beijando a testa da maluquinha com a cabeça deitada em seu colo no maior estilo folgada. – O fato de ele ter escrito esse livro na década de 50 já o faz um gênio! Narrar coisas que a sociedade chama de “polêmica”, mas de um modo tão casual, é o que mais me fascina...
            – E nesse trecho que você acabou de ler é como se ele tivesse previsto essa crise do euro, sabe? E a gente estando aqui hoje, vendo essas pessoas conseguindo se recuperar e seguir em frente, mesmo com a vida financeira aos frangalhos, é realmente algo a se valorizar.
            – Sem dúvidas. – A morena concordou, jogando o exemplar surrado na mochila a sua esquerda, olhando para a janela e vendo o belo dia que estava do lado de fora do trem. – As indústrias fabricando coisas que logo nos farão substituir por outras, o modo compulsivo de pensar e agir, os julgamentos, os preconceitos... Kerouac aborda tanta coisa ao mesmo tempo.
            – Uma mente grandiosa produz ideias grandiosas...
            – Eu gostaria de escrever algo que fizesse as pessoas repensarem seus estilos de vida, sabe? – murmurou, olhando para a amiga que a fitava curiosa – Não algo que as fizesse apenas se divertirem, mas refletirem, pararem pra pensar se a forma como elas estão vivendo é exatamente a que elas sempre imaginaram. Algo que as fizesse consertar o futuro triste que elas possam ter por causa de toda essa histeria capitalista, essa necessidade de possuir coisas, importando-se com o que os outros vão achar e não no modo como estão alienadas.
            – Você já é essa pessoa, baby girl – A companheira sussurrou, pegando a mão de Kristen que se embromava nas mechas platinadas em uma carícia – Eu vejo essa mulher incrível e inteligente que você é, que faz a vida de todo mundo ao seu redor ser um pouquinho melhor. Só falta mostrar ao mundo.
            – E você acha que um dia eu chego lá? – ela perguntou com um sorriso brincando em seus lábios.
            – Meu bem, você é o tipo de garota que não precisa de uma trilogia de romance sobrenatural pra arrasar! – A loura prontificou, levantando-se do colo da amiga para beliscar a pontinha de seu nariz. Ambas sorriram.

Milão, Itália – Galleria Vittorio Emanuele II
16h52min

            Dakota não sabia para onde olhar, as inúmeras lojas de grife e a arquitetura repleta de mosaicos históricos dividiam sua atenção. Kristen contemplava plenamente a galeria projetada e construída durante a Belle Époque, a qual possuía um nome em homenagem ao primeiro rei da Itália posterior ao seu reconhecimento como país.
            Após dois pares de dias na cidade de Roma, as amigas seguiram para a segunda cidade do roteiro de viagem que planejavam desde que terminaram o colegial. E depois de verem pessoalmente a Torre de Pisa, o Pantheon e tantas basílicas e museus de arte na capital italiana, Milão realmente parecia o destino certo.
Elas haviam visitado a belíssima Catedral de Milão – Duomo di Milano – e se encantado com a obra sede da arquidiocese da cidade, uma das mais célebres edificações do estilo gótico europeu. E, mesmo não sendo muito religiosas, seria impossível não se sentirem tocadas pela aura celestial ali abrigada. Era como se um espírito bom e saudável rondasse toda a região – era revigorante.
Os olhos de historiadora, que a jovem loura havia adquirido na faculdade, faziam com que ela pudesse apreciar mais detalhadamente cada pedacinho da arquitetura impecável típica da Itália, explicando vez ou outra para a amiga alguma coisa a mais que havia aprendido em tantas aulas. Mas era óbvio que também estando cercada de tantas boutiques da Gucci, Prada e Louis Vuitton, seria difícil controlar seus hormônios de consumista.
– Se alguém me dissesse que a mesma pessoa que estava criticando o capitalismo estivesse cobiçando bolsas caríssimas, eu não iria acreditar... – Kristen provocou com um sorriso, caminhando ao lado da loura que quase lambia as vitrines.
– Estou apenas dando uma olhadinha... – murmurou travessa – Por que tem que ser tudo tão caro aqui? Não tenho coragem de pagar uma pequena fortuna nisso... Vou esperar pra comprar minhas Pradas quando voltar pra Califórnia!

RM - Capítulo 18


Ehhh, cambada! Quem anda surtando com RK em Coachella? Amo/sou <333
E como eu ando bipolar, estou quase chorando por estar finalizando o meu bebê. É, meu povo, esse é oficialmente o ÚLTIMO capítulo de Respiro Me *chora*
O epílogo, eu posto no DOMINGO que vem ;)
E se você estiver lendo e o final não for o que você queria, POR FAVOR, apenas peço que leia o capítulo todo. Tenho certeza que, de uma maneira ou outra, vocês irão gostar (:
Enjoy.

No capítulo anterior...

– Isso não é certo, Bella. – sussurrei, observando o reflexo dos edifícios no Grande Canal à luz do luar.
– O que não é certo? – perguntou no mesmo tom, caminhando para a minha frente, sem soltar minhas mãos, e me encarando, embora eu pudesse ler em seus olhos a leve percepção do assunto.
– Isso não é certo. – referi a nós, àquele lugar, àquela situação, torcendo por uma resposta sua à minha dúvida. – Precisamos voltar e resolver isso.

Capítulo 18 – Respirare


POV Bella
           
            É difícil quando você cai em si e percebe que tudo o que fez foi um engano. Talvez esse engano seja o maior desastre de sua vida, talvez ele seja a sina para um destino sem felicidade, talvez seja a ponta do iceberg para te levar a um precipício.
            Mas talvez ele seja o engano vindo para um bem maior. Sim. Aquele engano que o faz remoer todas as suas atitudes para, no futuro, ver que foi a decisão correta. A decisão da maturidade, do renascimento. Ou segundo uma definição propícia, da revivência – caráter ou qualidade de revivente, aquele que revive.
            Eu havia feito minha escolha, Edward também. E após passarmos a madrugada no trem de volta para casa, acreditávamos que aquela seria a decisão correta. Não a mais correta para todos, não a mais correta agora. Mas a mais correta para nós dois.
05 abril 2013

Recomendação: À Luz Das Estrelas

Hey, babies! Como vão?
Hoje teremos a recomendação de uma fanfic fofíssima que me arrancou muitos suspiros e risadas! Uma história totalmente diferente, chamada À Luz Das Estrelas.

04 abril 2013

BR - Capítulo 1


Como prometido, nossa comédia romântica RK, Burning Red!
Betada pela minha baby, Aline Bomfim, também beta de "Be Mine"! ;)
E sobre Respiro Me, estou trabalhando no capítulo final!
Enjoy it.


Capítulo 1: Roma

A selva é a sua cabeça
Ela não pode mandar no seu coração
Um sentimento é muito mais forte que
Um pensamento
(U2 – Vertigo)

Roma, Itália – Locanda Colosseo
10h33min

            A capital italiana estava lotada. E quente – tremendamente quente. O número da unidade acabava de pular de 4 para 5 no painel eletrônico que monitorava o clima da cidade, e Kristen sorriu ao limpar um filete de suor que começava a escorrer em sua nuca. Los Angeles costumava ser quente durante o verão, mas nada que se pudesse comparar a Roma e seus recentes 35ºC.
            – Socorro, amiga! Quero voltar pra LA! – Dakota e seu costumeiro drama começaram a se apresentar enquanto ela retornava ao quarto, começando a revirar sua mala.
            – Tem certeza? – Kristen sorriu maliciosamente, olhando rapidamente para a amiga ao colocar um fio de cabelo atrás da orelha. – Não foi você que estava louca pra conhecer alguns italianos?
            – Tudo bem, Roma é incrível! – ela disse animadamente, jogando as mãos para cima e se esparramando na cama. – Você viu aquele moreno gatíssimo que ajudou a trazer nossas malas? E ele me desejou boa estadia no hotel! Com certeza eu terei uma boa estadia se encontrá-lo mais tarde...
            – Céus, Dakota, não estamos na cidade há nem duas horas e você já quer dormir com o primeiro europeu que aparece? – Kristen riu, estreitando os olhos, ainda debruçada no parapeito da varanda, tentando admirar cada traço do Coliseu, ao longe.
            – Não é todo dia que encontramos com um italiano de tirar o fôlego em plena Itália! Mas já que homens não fazem meu tipo, você bem que poderia ter uma boa estadia com ele... – murmurou toda sensual, jogando um travesseiro nas costas de Kristen. – E olhe pra mim enquanto eu falo com você, sua bitch!
            – Adoro você e seus doces apelidos, mas deixe de ser pervertida pelo menos uma vez na vida! – ela falou, pegando o travesseiro e o acertando no nariz arrebitado e convencido da loura, retornando ao quarto. Ambas riram antes de Kristen ser puxada para o lado da amiga, na enorme cama.
            – Não posso prometer isso, nasci assim... – continuou rindo, cheia de segundas intenções – Mas eu prometo que vamos fazer dessa viagem a melhor de nossas vidas, baby girl! – Dakota exclamou, beijando uma das bochechas da morena.
            – Se eu estiver ao seu lado, com certeza, loura psicótica!
            – Já falei que loura psicótica é a sua avó – grunhiu, mostrando a língua ao levantar-se num salto – Vamos nos trocar? Preciso arrasar no look e parecer uma perua mafiosa!
02 abril 2013

Nova fanfic: Burning Red (prévia)

Hey! Como vão, gatíssimas?
Eu esqueci de postar a recomendação semana passada (podre, eu sei kkk'), mas meus pais foram viajar e depois eu fiquei enfurnada com Burning Red e esqueci completamente o.O
Hahahaha'
Anyway, pra compensar, que tal uma prévia da nossa nova fanfic?
Diferente das minhas outras histórias, essa é uma comédia romântica e, melhor, ROBSTEN! Hell yeah, vamos mergulhar nessa fanfic com RK em universo alternativo, uma Dakota divertidíssima e lésbica, e um Tom tanto quanto, er... mulherengo! Hahahaha'
Para quem não se lembra, aqui está a sinopse:

Uma vida realizada. Até agora. 
Robert, um fotógrafo londrino em busca das melhores imagens. Kristen, uma escritora californiana em busca das melhores histórias.
Uma longa viagem a Europa. E duas vidas entrelaçadas. 
Eles não esperavam se conhecer em Roma, reencontrar-se em Barcelona e viver uma intensa paixão em Paris.
Juntos de Dakota e Tom – seus inseparáveis e loucos amigos –, Kristen e Rob embarcam em uma road trip contemporânea pelo continente de ouro, não deixando de lado a boa cultura do rock ‘n roll. e das loucuras a serem vividas enquanto ainda são jovens.
Mas quando se derem conta, estarão completamente dependentes e em busca de algo deliciosamente diferente: um ao outro.

Ehh, quem curtiu? Então, aqui vai uma prévia do primeiro capítulo! Espero que gostem ;)

DP (Original) - Capítulo 6

Hey, bitches! Como vocês estão? 
Aqui está um cap fodeeex de DP! Altas emoções! Hahahahaha'
Ah, não sei se alguns sabem, mas sou uma das ADMs da página Lana Del Rey Addiction e a fanfic está sendo postada lá! Estamos chiques, negads! LOOOL
Queria agradecer a minha baby Aline Bomfim pela ajuda master de sempre! Eu te amo, gata.
E aproveitem o cap! <3

Carmen 
“É alarmante, honestamente,
Como ela pode ser charmosa
Enganando a todos
Dizendo-lhes que está se divertindo”

            A cidade era linda vista do alto. Ali era como se fosse impossível imaginar quantas coisas se passavam em um ambiente entre um deserto e um mar, um lugar carregado de automóveis, tecnologia e pessoas dispostas a fazerem qualquer coisa mais pela fama do que pelo dinheiro. A tão conhecida ideia de status, a vida perfeita, a pose perfeita, a Los Angeles perfeita. A terra de deuses e monstros.
            E bem no topo da cidade, na imensa serra logo abaixo do belo letreiro de Hollywood, havia um anjo observando tudo. Um anjo talvez com as asas quebradas demais e que perdia sua auréola aos poucos enquanto conhecia e se aprofundava cada vez mais naquela terra de fantasias. A Cidade dos Anjos, a cidade da inconsciência, a La La Land da inocência perdida.
            – Você nasceu aqui? – A voz de Andrew soou baixa e calma enquanto seus lábios expulsavam pequenas fumaças de cigarro. O sol estava nascendo e o céu fluía pequenos riscos amarelos e rosados através do azul claro.
            Scar o olhou parcialmente curiosa – ambos estavam quietos há um quarto de hora desde que chegaram cansados, mas ainda dispostos após uma frutífera noite no Old Paul’s. Eles não se viam há uma semana, desde a primeira noite e ótima manhã em que dormiram juntos. Ela estivera totalmente ocupada com a faculdade, seus pais cada vez mais desconfiados e seu namorado mais atento às suas esquivas; mas ela sorriu como um pequeno diabinho em busca de diversão ao trocar uma entre tantas mensagens de textos com o britânico e encontrá-lo no pub em plena quinta-feira à noite.
            E naquele início de manhã de sexta, ela sorriu ao responder sua pergunta.
            – Na verdade eu nasci no Hamptons durante o recesso de primavera – Mordeu os lábios, divertida. – Segundo minha mãe, eu vim antes do previsto e peguei todos de surpresa.
            – Imagino que sim – Andrew murmurou com um sorriso de lado, tragando mais uma vez.
            – E você? – questionou curiosa, roubando seu Marlboro Light e sentindo o sabor do tabaco em sua língua.
            – Blackpool, litoral da Inglaterra – respondeu sucinto, desviando seus olhos azuis para a paisagem distante dos prédios da cidade. – Meus pais logo se mudaram para Londres, onde eu cresci.
            – E o que o trouxe a América? – Ela franziu o cenho, apoiando os cotovelos em suas pernas dobradas sobre a terra e a grama abaixo do letreiro, fitando o homem que fugia de seu olhar.
            – Liberdade, vida nova – Ele a encarou de repente, fazendo-a se arrepiar com aquelas íris azuis tão intensas e que gritavam um milhão de segredos. – Você não vai querer saber.
            – Por que você se esconde de mim, Andrew? – perguntou com os olhos preocupados e gentis, sentindo-o se aproximar como um felino e acariciar delicadamente seu rosto.
 
Template feito por Nathália Almeida, exclusivo para disponibilização no Single Themes. Não retire os créditos!