23 dezembro 2013

BR - Capítulo 10

Babiiiies! Perdão pela demora, mas como eu disse semana passada em Dark Paradise, esses últimos tempos foram uma loucura sucks pra mim. Mas aqui está um capítulo louco e romântico de BR! Que saudades dos nossos putos! Hahahahaha'
Enjoy it.


Capítulo 10: Valência – Parte 1

Eu não acreditava em destino
Eu procuro e você está ao meu lado
Que sensação!
(Aqualung - Brighter Than Sunshine)

Arredores da Castilla-La Mancha – Estrada A3
14h58min

            Paisagem verde de belas serras e planícies, céu azul, brisa suave e Foster The People nos alto-falantes do Mustang enquanto Robert dirigia através da Espanha com Kristen ao seu lado e três putos divertidíssimos no banco traseiro. Seria perfeito se não fosse pela loura matraca que não parava de rir da revelação do Tom no banco de trás.
            – Sério mesmo que você quase já dormiu com um traveco?
            – Não me julgue, ok? – O ator se defendeu com um olhar assustado e um bico enorme nos lábios; os amigos rasgando-se em uma gargalhada enorme. – Eu estava mais que bêbado, só na hora H percebi que o que tinha ali era um pinto enorme!
            – NÃO ACREDITO! – Dakota roncou no meio do riso, gargalhando e colocando a mão na barriga.
            – E o que você fez depois? Deu um “hasta la vista” e sebo nas canelas? – A morena perguntou em diversão e meio a uma alta risada, curvando-se no ombro do fotógrafo para olhar para o banco de trás.
            – Foi! – Tom riu e a crise de risos aumentou. – Só sei que nunca mais vou sozinho pra Tijuana!
            – Graças a Deus; estava começando a duvidar da sua masculinidade, bebezão! – Sienna murmurou risonha ao apertar as bochechas do inglês.
            – Sou muito macho, irmãos!
            – Claro que é – A loura baixinha zoou outra vez, meneando a cabeça. – Ai ai, esse foi o babado do século.
            – Tá bom, agora sou eu que pergunto! – Ele revirou os olhos ao erguer as mãos. – Primeira vez de vocês?
            – Primeira vez de quê? Que transou, beijou na boca, viu Madagascar, cantou eu Eu Me Remexo Muito? – Dakota provocou, fazendo o moreno olhar com cara de descrença enquanto os outros riam. – Primeiro quem responde é o Rob!
            – Por que eu? – Fez cara de inocente.
            – Porque você é gostoso e com certeza quer comer minha amiga, então desembucha! – ela respondeu no melhor jeitinho Dakota que fez todos rirem, e o fotógrafo e a escritora trocaram um olhar divertido.
            – Okay, eu tinha uns 15 anos e foi com uma líder de torcida que vivia jogando os peitos na minha cara – Ele riu, seguido pelos outros, exceto por uma Kristen que se remexeu desgostosa no assento do passageiro. – Não demoramos nem 10 minutos no vestiário vazio, mas foi bom!
            – Agora a Kristeeeeen! – A loura maliciosa cantarolou o nome da amiga enquanto todos a olhavam com ansiedade.
            – Que bando de curiosos, meu Deus! – murmurou risonha antes de prosseguir. – Foi aos 17 com o Michael, na casa de campo da família dele quando completamos seis meses de namoro, nada demais.
            Nem deu tempo do Robert querer quebrar a cara do mané ou Kristen se sentir desconfortável, pois logo a amiga já soltou um comentário bem típico dela.
            – Pelo jeito ele tem pinto pequeno! – ela comentou embolada em uma risada alta e engraçada que fez todos gargalharem.
            – E você, Kota? Fale sobre sua primeira vez! – Tom atiçou; seu lado de velhinha fofoqueira todo curioso.
            – Minha primeira vez com homem, com mulher, orgia ou o quê? – Ela tirou uma com a cara dele, fazendo todos rirem e ele rolar os olhos. – Minha primeira vez foi com uma garota da minha aula de Francês, no colegial. A gente se conheceu, passamos a namorar e após dois meses rolou nossa primeira vez, foi maravilhoso! Três meses depois nós brigamos, terminamos, fiquei bêbada numa festa e foi aí que conheci a K!
            – E com homem? Já rolou?
            – Uma vez, já na faculdade – Ela riu. – Só serviu pra confirmar que eu gosto mesmo é das aranhas brigando!
            – MEU DEUS, EU NÃO OUVI ISSO! – Kristen soltou uma gargalhada altíssima, sendo seguida pelos outros malucos na longa viagem ao leste espanhol.

Valência, Espanha – Propriedade da família Sturridge
17h26min

            – Uau, acho que vou morar aqui pra sempre, posso? – A loura olhou com um beicinho e os olhinhos brilhando para Tom à medida que todos admiravam o belo casarão onde passariam os dois próximos dias.
            A família do ator possuía uma linda propriedade no alto de uma das serras da cidade, longe do centro e com uma visão lindíssima para as planícies verdes, as plantações e até vinhedos ao horizonte. O Sol do final da tarde resplandecia um tom lindo de dourado sobre a grama e fazia as paredes do enorme sobrado parecerem ainda mais mediterrâneas.
            A casa de três andares era estreita, com paredes de um bege envelhecido e janelas e uma porta de entrada de madeira marrom e, do outro lado, paredes salmão com janelas azul turquesa. Ao longo da construção havia uma bela escadaria de pedras cinza que circundava toda a lateral em sentindo horizontal da fachada, indo desde o gramado do jardim, passando pela porta marrom – com um longo degrau onde havia samambaias, duas cadeiras e enormes cachepôs com flores rosa choque – até dar acesso aos fundos. Árvores de flores roxas, floreiras nos parapeitos das janelas e luminárias vitorianas nas paredes davam um toque final ao charme e beleza do lugar.
            – Tudo bem, quer casar comigo, Tom? Já temos até onde morar: aqui! Não é legal? Eu sou uma gênia, eu sei que sou – Dakota continuou importunando o moreno, fazendo todos rirem e ele bagunçar seus cabelos.
            – Que bom que gostaram, galera! – Ele sorriu, caminhando até as escadas com os amigos em seu encalço. – Minha família costuma passar os feriados de final de ano aqui, então é como minha segunda ou terceira casa, já que tenho Londres e LA agora!
            – Ah, deve ter sido ótimo crescer aqui! – Kristen sorriu, abaixando-se para cheirar as flores nos grandes vasos.
            – E foi! Até o Rob já passou alguns Natais aqui com a família dele; já aprontamos muito por essas redondezas! – murmurou malicioso ao fazer um high-five com o amigo e ver as meninas revirarem os olhos.
            E assim que Tom pegou a chave guardada debaixo da mesma floreira de sempre, eles abriram a porta da frente e foram invadidos com a beleza da arquitetura mediterrânea que sempre mesclava as cores terracotas com enormes janelas e uma claridade límpida tipicamente espanhola. Paredes claras, pisos de pedras lisas, madeiras escuras, tapetes persas e cores vívidas em quadros e cortinas. Não era nada que ostentava riqueza; era apenas uma simplicidade impecável pelo bom gosto e ar médio.
            – Que lindos! São seus pais? – A escritora perguntou ao caminhar pela sala, parando em frente à lareira ao avistar alguns porta-retratos. Ela amava o modo como as histórias podiam ser impressas em uma única tela.
            Tom se aproximou com um sorriso assim como os outros – Robert abraçando a morena delicadamente pela cintura.
            – Sim. São meus pais, meu irmão mais velho, Arthur, e minha irmã caçula, Matilda. – falou ao apontar à senhora bela e ruiva, ao homem de cabelos grisalhos abraçado a ela e um jovem de seus 25 anos, com cabelos cor de fogo e olhos iguais aos de Tom, agarrado a uma garotinha sorridente de lindos olhos azuis e puxadinhos como a característica de quem possuía Síndrome de Down.
            – Seu irmão é a sua cara, mesmo com os cabelos ruivos! – Sienna riu agarrada ao britânico que puxou ela e Dakota em um abraço. – E a sua irmã é a coisa mais fofa do mundo. Que vontade de apertar!

            – Não é? Ela foi um presente de Deus pra nossa família, trouxe tanta alegria pra gente! – murmurou com um sorriso de lado. – Estou com saudades da pirralha!
            – Ela é um amor – Robert comentou com o rosto ameno e feliz, admirando a foto. – Vocês precisavam ver quando eu ia à casa do Tom em Londres e a Matilda chega cheio de sorrisos, beijos e abraços pra mim!
            – Rob arrasando corações desde sempre! – Dakota brincou com uma risada.
            – Mas ela é assim mesmo, vive esbanjando esse amor! – O ator continuou com uma risadinha. – A gente acha que as coisas vão ser complicadas no início, mas tudo acontece por um motivo, sabe? Ter essa pestinha na nossa família foi a melhor coisa que nos aconteceu.
            – Eu mais que te entendo, Tom – Kristen sorriu, olhando para a imagem mais uma vez.
            – E eu achando que esse homem era só galinha, socorro! Ele tem um coração, minha gente!
Todos gargalharam com a loura e então o ator arregalou os olhos ao se lembrar de algo.
            – É melhor escolherem os quartos! Quem chegar por último vai ficar com a pior vista!
            – Salve-se quem puder! – Dakota gritou ao correr escada acima, sendo seguida por todo mundo. Era como voltar à infância sempre que estavam juntos.

Valência, Espanha – Mercadona
18h38min

            A seção de congelados estava relativamente tranquila enquanto Robert e Kristen caminhavam a passos lentos com um carrinho no grande supermercado, analisando as marcas de queijos e calabresas. Antes de uma noite de pizza, os dois e Dakota – até então sumida, o que não significava coisa boa – decidiram comprar alguns ingredientes no centro da cidade.
            Big Brother de Stephane Wremble tocava suavemente nos alto-falantes pelos corredores.
            – Essa cidade é tão linda, não vejo a hora de conhecer um dos vinhedos – A escritora suspirou com um sorriso, olhando para o fotógrafo que empurrava o carrinho.
            – Então vou levá-la amanhã – Ele esboçou um sorriso torto de tremer as pernas, fazendo-a sorrir de volta com um olhar doce.
            – Você é tão cavalheiro!
            – Apenas para você, milady – respondeu num tom de divertido que a fez soltar uma risadinha melodiosa e puxá-lo para um beijo delicioso.
            – Isso é você tentando me levar pra cama? – ela perguntou com uma voz travessa e risonha contra os lábios do inglês, fitando os olhos azulados e deliciosos.
            – Ah, minha senhora, meus passos são friamente calculados – murmurou com um olhar à lá Sr.-Darcy-sendo-orgulhoso que a fez rir e envolver seus lábios e sua língua em outro beijo que os deixou sem ar.
            E era incrível como beijar Robert Pattinson parecia uma nova experiência sempre que o provava mais uma vez. As mãos grandes e firmes ora em sua cintura, ora em seus cabelos, a boca sôfrega e sedenta de paixão e um desejo alucinante que compartilhavam um espaço à tentação, diversão e uma saudosa sensação de lar magicamente transportável. Era único.
            – “Baby, baby, baby ooooh, like baby, baby, baby, nooooo, like baby, baby, baby oooooh. I thought you’d always be miiine, miiine” – Dakota chegou cantando e cantando enquanto olhava pro teto, interrompendo o casal que estava perto de uma sessão de amassos. – Opaaaaa, que cheguei e a coisa tá quente! Podem continuar, não se sintam acanhados.
            – Ai que pervertida! – A morena riu ao esconder o rosto no pescoço do inglês, aproveitando para deixar uma mordidinha bem ali. Ele se arrepiou com os lábios da garota e conteve vontade de agarrá-la para o primeiro lugar vazio que aparecesse assim que ouviu aquela risadinha provocante dela.
            – E aí, já pegaram os queijos, seus putos? Vamos logo que a minha pança tá roncando! – A baixinha logo voltou a importunar, pulando de um lado pro outro ao procurar pelos sabores certos. – Rob, prepare-se porque essa mulher vai te pegar pelo estômago! A pizza dela só não é melhor que os cookies, porque esses sim... Ah, são nhumi!
            Os dois riram do jeito louco da californiana ao ajudarem-na a escolher os últimos ingredientes e irem ao caixa. É claro que a espertinha escapuliu direto pro carro pra não ajudar com as sacolas ou gastar seu dinheirinho suado – só que não.

Valência, Espanha – Propriedade da família Sturridge
19h30min

            – Ah, eu amo essa música! – Dakota gritou ao ouvir The Floating Bed, colocando a trilha sonora do filme Frida para a noite. Isso era a cara dela!
            – Hey, tire essa mão daqui! – A escritora brigou quando o britânico colocou uma mão boba na bunda dela e a outra na calabresa enquanto ela montava a primeira pizza.
            – Daqui aonde? – ele perguntou com uma risada, dando um apertão na carne dela e um selinho em seus lábios com a boca cheia.
            – Seu abusado! – ela repreendeu, tentando esconder um sorrisinho quando o rapaz pegou outra calabresa e colocou entre seus dentes dessa vez. – Hm... Está bom.
            – Eu sei – murmurou convencido ao abraçá-la por trás e pegar um punhado de orégano para ajudá-la a montar. – Eu estava pensando...
            – Em quê?
            – Sei lá, você é escritora e vive fazendo anotações em um ponto ou outro da viagem. Sobre o que você está escrevendo?
            – Ah, eu ainda não sei certo, sabe? – Ela deu de ombros com uma risadinha, ignorando o inspirar suave do britânico em sua nuca à mostra pelo coque mal feito. – Eu anoto coisas sem sentido que me vêm em mente, geralmente coisas que eu vejo ou sinto durante a viagem, com todas essas experiências...
            Ele sorriu ao mordiscar o pescoço alvo e depositar um delicioso beijinho logo atrás de sua orelha.
            – O que foi? – ela indagou com um sorriso.
            – Você vai me mencionar nele ou vai colocar nossa história nos papeis? – sussurrou em seu ouvido, deslizando as mãos pela barriga levemente descoberta e os lábios ao longo do ombro desnudos pela blusinha preta.
            – Talvez? – A jovem arfou ao sorrir deliciada.
            – E o que você diria sobre mim? – perguntou baixinho ao virá-la de frente para ele, olhando arfante e completamente apaixonado por aqueles olhos verdes, felinos e tão empolgados.
            – Hmm... – Ela divagou ao morder o lábio inferior e enlaçar as pequenas mãos ao redor de seu pescoço. – Diria que você é lindo... – Ela beijou seu pescoço. – por dentro e por fora. – Sorriu ao beijar seu nariz. – Diria que você é convencido, – Beijou a bochecha. – um pouco chato, – Beijou a outra bochecha. – charmoso até a raiz dos cabelos – Beijou seu queixo. – e que tem um sotaque britânico de derrubar calcinhas.
            Ele riu, divertido e hipnotizado.
            – De derrubar calcinhas?
            – De derrubar calcinhas. – E ela beijou, finalmente, seus lábios.
E era como o paraíso.
            – Quer mais vinho? – perguntou levemente ofegante, ainda deslizando suas mãos pela cintura fina da jovem.
            – Por favor – Ela sorriu, pegando sua taça vazia e sendo servida por um vinho tinto maravilhoso da região.
            – K, a outra massa já terminou de assar? Eu posso te aju... – Sienna adentrou a cozinha distraída e soltou uma risadinha ao ver os pombinhos. – Opa, interrompi alguma coisa, né?
            – Claro que interrompeu! – Dakota se aproximou, roubando uma fatia de mussarela em cima da mesa. – Tem que ser que nem eu que não atrapalha nunca.
            – Ahaaaaam! – A escritora mostrou um joinha ao dar um gole em sua bebida e ouvir Rob soltar uma risada.
            – Argh, seus irritantes. – Ela mostrou a língua antes de carregar um pacote inteiro de petiscos e dar um beijo no rosto da toureira.
            E entre risos, conversas e vinhos, os cinco viajantes se encontravam na enorme mesa de madeira da cozinha de tons mediterrâneos enquanto comiam muita pizza, decoravam outras e esperavam mais algumas terminarem de assar. E é claro que álcool e roda de amigos nunca eram uma boa combinação.
            – Sério! Eu não sei como ainda nunca fui ao Coachella! – Tom declarou com uma risada, recebendo um olhar inconformado das californianas.
            – Mas é um dos melhores festivais do mundo! – Kristen exclamou, dando mais uma mordida em sua fatia.
            – É por isso que não sei como ainda nunca fui! – Ele riu; alguma música espanhola tocando de algum lugar da casa. – Até o Rob já foi e eu não.
            – Até eu fui, Tom! – Sienna revirou os olhos com uma risada, sendo seguida pelos demais.
            – Está decidido! Essa é a minha meta pro ano que vem!
            – Ai que bobo! – A morena riu, bagunçando seus cabelos e indo até o forno pegar uma nova pizza pronta. – Quem quer terminar de decorar essa? Tem mais queijo aqui.
            – Pode deixar comigo, K! – A madrileña se aproximou ao continuar conversando com a galera. – Mas tenho que confessar que meu festival preferido é o Rock in Rio! Não perco uma edição em Madrid, cara.
            – Fui uma vez no Rio de Janeiro, foi loucura total! – Robert comentou, colocando mais vinho nas taças. – Eu me perdi do Tom e do Jack e, quando fui pegar um táxi logo de manhã, topei os dois loucos surfando em dois ônibus!
            – Como é que é? – Dakota soltou uma gargalhada espalhafatosa.
            – Eu tava tão bêbado! – Tom riu.
            – Okay, já sabemos que, quando o Tom bebe, o resultado é surfar em ônibus ou confundir mulheres com travestis!
            – Não me julgue, ok?
            – Que bebezão! – Sienna riu, colocando a pizza na mesa ao lado da escritora.
            – Mas nada como beber e fazer topless no balcão do bar! Kristen é minha heroína! – A loura irritante soltou entre uma risada, fazendo a garota corar.
            – De novo esse assunto, vadia?
            – Eu sei que você me ama!
            – Falando desse jeito, parece que a Califórnia inteira já viu meus peitos! – Ela riu, dando um gole na bebida.
            – Eu nunca vi seus peitos. – O fotógrafo provocou, mexendo sugestivamente as sobrancelhas.
            – Tarado.
            – Vocês dois são impossíveis! – Sienna riu outra vez com seus grandes olhos de sombra escura e uma franja loura caindo em sua pele bronzeada.
            – Eles vão acabar se casando e o nome da primeira filha deles vai ser Marlowe – Tom atiçou, mordendo sua pizza.
            – Que diabo de nome é esse? – A toureira perguntou.
            – Certo, vai ser o nome da nossa primeira filha. – Sorriu conquistador.
            – Nem por cima do meu cadáver.
            – Claro que vai.
            – Depois nós é que somos impossíveis – Kristen murmurou pro Rob, que riu ao dar de ombros e puxá-la para o seu colo.
            – Ainda não acredito que já fomos ao mesmo festival umas mil vezes e nunca nos topamos antes. – disse com um sorriso torto, acariciando seus quadris.
            – Ou que uma das minhas melhores amigas se casou com um grande amigo seu – sussurrou contra os lábios febris, circundando os ombros largos do inglês.
            – Acho que já estava escrito que você iria tropeçar no meu caminho... – ele sorriu galante, fazendo-a morder o lábio inferior em diversão.
            – Foi você que começou tirando uma foto minha lá no Coliseu, nem vem me culpando!
            – Falando nisso, eu revelei umas fotos, quer ver? – O britânico se lembrou, sorrindo com sua bela trilha de dentes brancos e perfeitos.
            – Eu quero! – Dakota se intrometeu, arrancando uma risada da escritora que recebeu um rápido e estalado beijo na boca antes de o britânico correr até sua bolsa, na sala.
            – Eu as revelei lá perto do supermercado, lembra? – ele gritou do outro cômodo, logo retornando com um punhado de fotografias. – É só algo provisório, até eu voltar pro meu estúdio e revelar eu mesmo.
            – Você tem um estúdio? – A morena questionou com um sorriso curioso.
            – Não é nada demais – Ele deu de ombros, sorrindo ao sentar ao seu lado. – Em breve terei várias fotos suas por lá.
            – Que coisa pervertida! – provocou, colocando a mão displicentemente em sua coxa coberta por uma bermuda.
            – Muitas garotas diriam que é romântico – ele atiçou de volta, repuxando os lábios em um sorriso. Kristen apenas riu de volta, puxando-o para um beijo delicioso.
            – Olha só essa foto! – A lourinha gritou ao ver um retrato de Tom ganhando um belo tapa na cara de uma aeromoça.
            – Esse foi um fora épico, ainda no aeroporto de Roma! – Robert explicou com uma risada engraçada, vendo o amigo revirar os olhos e as duas louras gargalharem.
            – Eu chamo de “aprendizagem acidental” – Estufou o peito, todo metido.
            – E eu chamo de “tapa na cara” mesmo! – Sienna se divertiu, sentando-se no colo do ator. – Você ainda vai aprender muito, gato.
            – Sou seu, amor – Ele mexeu as sobrancelhas, sorrindo.
            – Sei. – Revirou os olhos.
            – Uau, Rob, seu trabalho é muito bom! – Dakota comentou admirada, observando uma foto linda da Kristen no Coliseu. – A modelo também ajuda!
            – Claro que ajudo – A americana brincou, jogando os cabelos.
            – Mas é sério, suas fotos são as mais fodas do mundo! – ela elogiou junto da amiga, vendo as paisagens lindas da Itália. – Você e a minha K formam um casal de artistas fodex!
            – Ah, Kristen! – A toureira exclamou, virando-se pra morena e deixando os outros conversando entre si. – Falando nisso, eu queria tanto ler algo seu! Acho o trabalho dos escritores simplesmente fascinante; minha avó era uma.
            – Sério? – Ela sorriu, sentando-se ao lado dela e pegando sua bolsa. – Eu tenho umas anotações nesse caderno, fiz alguns textos durante as viagens.
            – Você escreve sobre o quê? Tem algo específico?
            – Eu prefiro romances a sagas, sabe? Pretendo escrever algum em breve, mas ainda não surgiu a grande ideia. Mas sou apaixonada pelo Jack Kerouac, ele é minha maior inspiração na escrita! – murmurou com os olhinhos brilhando, abrindo seu bloco de notas.
            – Também amo Kerouac! On The Road é um dos meus livros preferidos! – A loura espanhola comentou, começando a ler alguns textos da morena. – “E, um dia, ele terá certeza de que viveu e foi feliz com suas escolhas, pois suas expectativas frustradas o fizeram amadurecer, suas expectativas alcançadas o fizeram crer, mas suas expectativas superadas – ah, essas sim! – o fizeram florescer.” Isso é lindo, K!
            – Você acha? – perguntou indecisa, mordendo os lábios.
            – Tenho certeza! Uau!
            – Eu tento fugir dos clichês, mas você sabe como é... – ela brincou, ganhando uma risadinha da loura que vasculhava seu caderno.
            – Eu adoro quando autores são sinceros com suas palavras. – Sienna murmurou, lendo as páginas soltas de textos e citações lindas, espalhando-as pela mesa. – Se você for fiel a si mesma, seus escritos sempre serão os melhores!
            E entre conversas e aquela troca de cultura e informações completamente maravilhosa, Kristen não notou o fotógrafo observando o assunto com interesse, aproximando-se lentamente e pegando uma folha espalhada. Ele possuía uma curiosidade em ler as palavras refletidas pelos papéis da morena desde que topara com ela em Barcelona. Era quase como um vício irrefreável de saber o que se passava naquela mente que tanto o atiçara e o apaixonara.

“Eu não acredito em amor à primeira vista. Amor é algo que se constrói com o tempo, com a vivência, com a convivência. Amor é a sensação de querer proteger aquela pessoa amada, de poder impedir que qualquer coisa ruim possa lhe acontecer, de querer abraçá-la e tê-la contra seu peito até que o destino diga o contrário. Amor não trai, amor não cega, amor não erra.
Mas eu acredito em encontro de almas à primeira vista. Quando você conhece aquela pessoa e tem vontade de poder conversar com ela, descobrir sobre ela, desvendar sua vida, seu passado, seus sonhos, seus segredos e suas mais obscuras fantasias. Um encontro de almas é quando aquele sentimento inexplicável e repleto de sensações esquisitas e dominantes toma conta de si e impede sequer o raciocínio de permear suas vontades.
E, embora todos esses sentimentos sejam inexplicável e irracionalmente deliciosos, parece que ainda fica restando um pedacinho de consciência em algum lugar do seu corpo. Ou talvez não seja a consciência, mas sim o medo de ferir ou ser ferido outra vez.
Mas acontece que se você não der uma chance de viver o que o destino lhe permitiu viver, você jamais descobrirá o que isso vai dar. Pode resultar em dois corações magoados e perdidos. Pode resultar em uma amizade eterna. Assim como também pode resultar em um sentimento simplesmente avassalador que sirva como uma bela história de ninar a alguma criança sem esperança, em algum lugar do mundo.
Basta tentar.”

            – Kristen... – Rob sussurrou completamente abobalhado e embaralhado com as palavras que se passavam por sua mente. Era como aquele sentimento avassalador de poder ler um bom livro e, quando você finalmente o tem em mãos, é inteiramente surpreendido com suas expectativas acima de qualquer nuvem alta no céu.
            É maior, é melhor, é mais macio, suave e acalentador que qualquer doce argentino.
            – Você leu? – Ela mordeu os lábios ao vê-lo com a pequena folha em mãos. – Eu o escrevi naquela tarde que nos reencontramos em Barcelona; você quis ler, mas eu não deixei. Gostou?
            Ele sorriu, aproximando-se com um olhar em deleite ao colocar as mãos na cintura fina.
            – É maravilhoso.
            E bastou aquela palavra para ele a puxar para um beijo delicioso que exclamava paixão. Paloma Negra tocava ao fundo de algum lugar vindo da casa – e entre a suave melodia, ambos sabiam que suas almas haviam se encontrado e se conhecido permanentemente para, com certeza, servir como uma bela história de ninar a alguma criança sem esperança, em algum lugar do mundo.
           
02h02min

            A noite valenciana estava quente e a escritora se revirava de um lado para o outro na enorme cama de seu quarto. O calor a incomodava entre os lençóis e, ao abrir as portas francesas da varanda e deixar a brisa leve adentrar o cômodo, sua garganta seca a fez descer as escadas rumo à cozinha.
            Uma luz despontava no ambiente de tons mediterrâneos com a porta do refrigerador aberta e certo homem sedutor de calças de moletom e regata branca a fez sorrir.
            – Assaltando a geladeira? – perguntou risonha ao encher um copo de água e vê-lo assustar ao perceber a presença da garota.
            – Amo doces de madrugada – Ele deu de ombros com um sorriso nos lábios, encontrando dois brigadeiros que Kristen e Sienna haviam preparado mais cedo. – Aliás, você é a melhor cozinheira que já vi, meu Deus!
            Ela riu ao colocar o copo na pia, aproximando-se.
            – Vou contar pra sua mãe que você anda dizendo isso...
            – Okay, as duas são as melhores cozinheiras que já vi – murmurou divertido, encarando os olhos verdes e o corpo pequeno e esbelto coberto por uma enorme camiseta de ombro caído com a estampa de um sorridente Elvis Presley. – Sexy.
            – Aham – A garota soltou uma risadinha e revirou os olhos, notando que ele tinha um fone de ouvido entre os ombros. – O que estava ouvindo?
            – Aqualung – Ele sorriu, tocando os quadris da morena enquanto sua outra mão colocava um dos fones em seu ouvido, compartilhando o som delicioso que soava baixo.
            – Brighter Than Sunshine – sussurrou, descansando o rosto no peito do britânico. – É uma das minhas preferidas.
            – É uma das minhas preferidas também. – murmurou baixinho, encontrando os dedos quentes de Kristen e entrelaçando-os aos seus ao mover seus quadris lentamente conforme a melodia.
            – “Eu simplesmente não podia me machucar outra vez. Que sensação.” – ela cantarolou em um cochicho, aconchegando-se ainda mais contra o abdômen tão firme e carinhoso.
            E Robert não resistiu. Era a letra perfeita. Era o momento perfeito.
            – “Eu não tive forças para lutar, de repente você pareceu tão certa. Eu e você... Que sensação.” – sussurrou contra o ouvido da garota, sentindo a textura deliciosa dos cabelos escuros acalentarem cada centímetro de sua alma.
            – E é mais brilhante que a luz do sol. – ela murmurou a letra ao erguer os olhos para o londrino, deslizando suas mãos pela nuca e os fios embromados que despontavam ali.
            E entre as palavras “amor” e “minha”, ele levou suas mãos rumo ao rosto tão delicado que o atormentava e o fazia vibrar.
            – O que você fez comigo, Kristen?
            – Eu não sei... – sussurrou perdida entre os olhos azuis apenas à luz da geladeira aberta.
            – Eu caí tão rápido por você... – Engoliu em seco ao aproximar seu rosto ainda mais; ambos completamente debulhados em um sentimento que os envolvia como nada que já haviam sentido antes. – Eu me apaixonei por você, Kristen.
            – E eu me apaixonei por você, Rob – Ela mordeu os lábios com um sorriso pleno que brincou em seu rosto, puxando-o ainda mais para si. – Completa e adolescentemente.
            O britânico riu, grato aos Céus por aquela menina tropeçar em seu caminho. E ele a beijou como nunca antes, ele a beijou com fogo, com paixão e com a mais pura sensação que parecia querer explodir dentro de ambos.
            E ele a puxou um pouco mais contra o seu corpo, sentindo a língua e os lábios se perderem aos seus. De repente ela era dele – e era mais brilhante que a luz do sol.

Eu sou seu e, de repente, você é minha.
De repente você é minha
E é mais brilhante que a luz do Sol

(Aqualung - Brighter Than Sunshine)

Gostaram? Loucura e muita fofura, né? Hahahahaha' Não deixem de me dizer o que acharam! ;)
E lembrem-se: quem deixar review, ganha uma mensagem com spoiler do próximo cap! o/
Feliz Natal e Ano Novo pra vocês, gatonas! Tudo de melhor e muuuuito rango e álcool! -q Hahahahaha' MUAH!
Toodles honey

0 comentários:

Postar um comentário

 
Template feito por Nathália Almeida, exclusivo para disponibilização no Single Themes. Não retire os créditos!