16 fevereiro 2014

DP - Capítulo 8

Heey, bitches! Como vão?
Aqui está mais um cap de DP... Espero que gostem! <3

Diet Mountain Dew

“Diet Mountain Dew, baby, New York City
Nunca houve uma garota tão bonita
Você acha que seremos apaixonados para sempre?
Você acha que seremos apaixonados?”

            Nova York estava esplêndida! O céu nublado, o movimento, os carros, as pessoas apressadas, os prédios de tijolos, de concretos, de imensas paredes espelhadas cobrindo arranha-céus e o oxigênio partindo do Central Park há apenas algumas quadras dali. Era simplesmente impossível não amar cada parte daquela cidade.
            – Eu amo Nova York! – Isabella gritou em plenos pulmões e com um sorriso de criança no rosto ao avançar rapidamente pelas ruas fora do horário de pico e admirar cada beleza no carro conversível.
            Edward riu, esparramando seus braços pela lataria brilhantemente vermelha da Ferrari alugada. O motivo de terem atravessado o país em um jatinho particular naquela mesma manhã? Isabella, seu sorriso de menina e um pedido para um dia insano sem quaisquer favores, medos, receios ao deixarem os dois completamente a mercê da vida e daquela selva de concretos. Manhattan era praticamente a segunda casa da jovem herdeira e ela conseguiu o conquistar com aqueles grandes olhos verdes que o fascinavam.
            Aquela era sua pequena e maravilhosa loucura em busca da liberdade.
            – Você é louca – O britânico falou com uma risada, preenchendo-se com cada detalhe através de seu Wayfarer escuro. Isabella, é claro, sorria atrás daqueles óculos em forma de coração de armação vermelha que irradiava pecado.
            – Só estou me divertindo! – Deu de ombros ao sorrir ainda mais, trocando a marcha à medida que avistavam o Radio City Music Hall no quarteirão à esquerda.
            E ao dirigir com o Central Park como vista, a morena pegou a segunda saída para a Broadway até chegar ao Mandarin Oriental, obviamente o hotel mais caro da cidade.
            – O que os senhores gostariam? – O simpático recepcionista questionou ao mexer em seu bigode, divertindo-se com o sorriso fácil e tão jovial do casal.
            – Suíte presidencial, por favor – Bella sorriu, beijando a bochecha de Edward antes de sorrir e entregar seu cartão de créditos.
            E foi com esse mesmo sorriso fácil que ambos adentraram a imensa antessala do último andar. O piso e as paredes leste-oeste eram forrados em madeira escura, havendo uma belíssima mesa de jantar e luminárias douradas do lado esquerdo e, ao lado direito, sofás de couro e poltronas cinza combinando perfeitamente com o tapete vermelho e flores da mesma cor. Toda a imensa parede norte, porém, era revestida em um vidro límpido que mostrava a belíssima paisagem de prédios e o parque mais famoso da cidade.
            – Ah, essa vista! – A garota suspirou ao rodopiar pela sala e ser seguida pelo inglês até o quarto todo em tons de ouro por conta dos abajures e as cortinas e carpete cor de creme.
A enorme cama de casal estendia-se ao lado de duas poltronas e uma pequena mesa próxima a mais uma parede de vidro. Atrás da cama, no entanto, ficava um imenso espelho e, em cada uma de suas extremidades, uma porta que dava de volta para a sala e outra para o lindo banheiro nas mesmas cores, respectivamente.
– Uau! – Edward exclamou divertido com todo aquele luxo cinco estrelas, pegando uma garrafa de champanhe dentro do balde de gelos ao lado da TV de tela plana.
            – Isso não é lindo? – Ela riu, abrindo os braços com um gritinho empolgado antes de roubar a garrafa do espumante e, então, correr pelo quarto e pular como uma criança em cima da king-size. – Foda-se o dinheiro! As crianças na África vão continuar a passar fome, a Europa vai continuar em crise e os políticos vão continuar a nos roubar se eu gastar ou não o meu dinheiro, não é? É isso o que meus pais e toda aquela gentinha diz, então vamos ver se vale de alguma merda!
            – Como eu disse, você é louca! – Edward gritou risonho ao também subir na cama e ouvir a risada histérica e animada da californiana.
            – E eu nunca disse que não era – Sorriu de volta, estourando o champanhe e sentindo a bebida molhar sua garganta docemente através do gargalo.
            Ele roubou um beijo ao puxar a morena pela cintura, sorvendo alguns goles do espumante logo em seguida e a vendo sorrir quando ela lhe tomou a garrafa e rodeou as mãos ao redor do pescoço do homem.
            – Esta noite nós vamos nos divertir como nuca – murmurou sorridente contra seus lábios, fazendo-o circundar os sinuosos quadris ao fitar os olhos cheios de planos e sensações.
            – Já tem algum destino, madame?
            – Upper East Side e alguma loucura depois.
            E ambos sorriram, beijando-se ardentemente.
            Horas depois e com uma Nova York despontando luzes durante a noite, Bella sorriu ao terminar de se enxaguar durante o banho.
            – Nem me venha com esse olhar, nós estamos atrasados – repreendeu risonha ao ver a expressão maliciosa do britânico que invadia o banheiro só com uma toalha enrolada na cintura.
O cômodo era grande e todo revestido em mármore negro e creme, também com grandes janelas de vidro com vista para os prédios e tons dourados das luminárias. E ela riu quando Edward soltou um falso muxoxo, entrando predadoramente no box transparente.
– Nem um beijo rápido? – Sorriu ao segurar a cintura da morena e seus olhos deslizarem pela pele nua.
– Hm-hm – murmurou travessa, tirando a toalha dos quadris do londrino e o enrolando no próprio corpo molhado. – Você não vai precisar disso aqui agora.
E simplesmente caminhou para fora do banheiro, deixando-o com um olhar abismado, embora terrivelmente quente.
Aquela garota fazia uma verdadeira bagunça com cada uma de suas terminações nervosas. Era como se Isabella Swan demandasse cada sinapse de seu cérebro e tivesse o total controle de seu córtex. Tudo o que ele conseguia pensar, falar, agir e principalmente sentir estava de alguma maneira ligado àquela menina – fosse algo que a lembrasse, algo que a faria soltar algum comentário doce e sarcástico ou simplesmente fazê-la sorrir daquele jeito que confundia sua mente.
Aquele fodido sorriso que o levava aos Céus e o depois o jogava nas profundezas do Tártaro.
A herdeira dançava distraída enquanto perambulava pelo quarto assim que Edward atravessou a porta com uma das toalhas que sobraram na cintura. Apenas uma lingerie sexy e preta delineava suas curvas sob a renda cara, as quais remexiam-se à voz de Elvis Presley vindo do estéreo com One Night.
“The things that we two could plan would make my dreams come true…” – ela cantarolou ao rebolar suavemente com os olhos fechados, encaixando um brinco em sua orelha.
– Você é um pecado, Isabella – O homem murmurou com um sorriso safado atravessando seus lábios e os braços cruzados no peito. A jovem abriu os olhos assustada, sorrindo sapeca logo em seguida enquanto fitava o corpo deliciosamente úmido de Edward.
Ela suspirou.
– Acho que eu devo dizer o mesmo – Deslizou as próprias mãos por sua cintura e suas coxas, movimentando-se lentamente ao ritmo da canção...
– Temos champanhe e morangos... – ele comentou cheio de segundas intenções ao se aproximar devagar.
– Nós não temos tempo... – falou ainda se remexendo, mordiscando o lábio inferior ao admirar cada parte pecaminosa dos ombros largos e o abdômen... Oh, merda!
Os olhos verdes saltaram maliciosamente para a garrafa de champanhe, os morangos ao lado dos gelos, o corpo do britânico. O champanhe, os morangos, o britânico. O champanhe...
– Merda, já estamos atrasados mesmo! – Ela jogou as mãos para o alto antes de enrolar as pernas nos quadris do jovem e beijar sua boca sedenta e sempre tão quente.
– Porra, você é tão gostosa! – Edward arfou contra os lábios ofegantes, empurrando-a sobre a bancada ao lado do espumante e sentindo os pequenos dedos puxando sua toalha à medida que ele arrancava o sutiã da morena.
– E com champanhe eu fico muito melhor... – murmurou sacana, fazendo-o sorrir e se deliciar ao pensar como aquela mulher louca, maravilhosa e docemente perigosa fora parar em seus braços.
Ele só sabia que jamais a deixaria sair dali.
04 fevereiro 2014

DP - Capítulo 7

Hey, babies! Aqui está mais um cap de DP, com direito a Edward ensinando uma liçãozinha de moral a certo personagem... Hahahaha'
Quem não conhece a música do capítulo, Gangsta Boy, basta ouvir e ver a letra aqui: letras.mus.br/lana-del-rey/gangsta-boy/traducao.htmlEnjoy it.
Me digam o que acharam e trago o próximo cap rapidex! 



Gangsta Boy

“Eu não me importo com o que minhas amigas
E minha mãe dizem sobre você, bad boy
Eu gosto do drama”

            Ela era linda. Ela era linda com aquele corpo esbelto, de curvas discretas que o enlouqueciam. Ela era linda com seus belos seios, sua bela cintura e seus belos quadris. Ela era linda com aquelas pernas de bailarina, sotaque californiano e um jeitinho de patricinha que o deixava louco. Uma Bonnie Parker vestida de Bonequinha de Luxo. E aquilo o fascinava.
            Os atentos olhos azuis seguiam os passos e os movimentos sutis e sensuais como um falcão protegendo seu ninho. Isabella estava em uma lingerie recém-comprada na Rodeo Drive, testando sua nova calça jeans que a deixava ainda mais excitante. A larga blusinha violeta acinzentada de botões, com curtas mangas e que deixavam parte de sua barriga deliciosamente alva e magra de fora, o cordão com um pingente de cruz em seu pescoço e os altos Loubotins que usara na noite passada presente nos pequenos pés.
            Um verdadeiro pecado sobre pernas que se olhava no espelho do corredor distraidamente em busca de alguma imperfeição – o que seria impossível.
            Edward a admirava com a mais fogosa e hipnotizante das sensações, tendo aquela bela mulher em seu apartamento após a complicada festa da noite anterior. Vê-la sempre tão frágil, tão pequena e à mercê das coisas horríveis nesse mundo, fez o homem ter a plena certeza de que colocá-la em sua moto e levá-la para casa era a melhor de todas as decisões. Após um banho, alguns suspiros e usando uma camiseta velha do britânico, Isabella pegou no sono. Enquanto ele pensava em certo alguém.
            Riley estava fodidamente em problemas – e agora oficialmente desde que provocara sua Bella naquela merda de quarto de hotel. Ele poderia ser milionário, bilionário ou o caralho que fosse, mas Edward o faria pagar por deixar aquelas lágrimas nos olhos da morena. Ele estava apenas esperando a hora certa.
            – E então? – A herdeira perguntou hesitante ao se virar para o britânico espalhado em seu sofá com um cigarro nos lábios, surpresa por notá-lo já com o olhar sobre ela.
            – Perfeita – murmurou ao jogar fora as cinzas, caminhando até a garota que havia retornado para o espelho com um sorriso no rosto. – Você é linda, Bella.
            Ela riu, olhando-o logo atrás de seu corpo através do reflexo.
            – Talvez você esteja cego, querido – provocou ao pegar o batom no móvel abaixo do espelho, sendo interrompida por uma grande mão em seu abdômen puxando-a para trás. – Oh!
            – Digamos que... – ele sussurrou intenso ao fitar as íris verdes pela imagem refletida, deslizando os fios castanhos para longe de seu pescoço. – Se Priscilla Presley, Marilyn Monroe e Audrey Hepburn se unissem numa mulher só, ela seria você.
            Ela suspirou, fechando os olhos por um segundo ao aproveitar aquela sensação maravilhosa, contornando seus dedos nos cabelos do inglês colado em seu dorso.
            – E se eu dissesse que adoraria ser a Jackie O’?
            – Ah, meu anjo, – murmurou contra o ouvido, ganhando seu olhar perdido em desejo. – apenas boas garotas podem ser a Jackie O’.
            Isabella soltou uma delicada risadinha, virando-se para o homem e sussurrando contra os seus lábios.
            – Eu sempre tive vocação pra ser a Marilyn da relação mesmo.
            – Contanto que eu seja o JFK, eu não reclamo de nada – respondeu com um sorriso, fazendo-a rir mais uma vez.
            – Eu diria que você definitivamente seria James Dean.
 
Template feito por Nathália Almeida, exclusivo para disponibilização no Single Themes. Não retire os créditos!